ECONOMIA

'Queremos levar startups latinas para o mundo', diz diretor do SoftBank

12 Mar 2019 - 14h53Por Bruno Capelas

Uber, WeWork, 99, Alibaba, Slack, carros autônomos, startups de saúde, fabricantes de chips... A lista de empresas nas quais o grupo japonês SoftBank tem participação societária reflete o que há de mais novo na tecnologia global. Em breve, esse grupo ganhará tempero latino-americano: a empresa anunciou na última semana um fundo de US$ 5 bilhões dedicado a startups da região.

Segundo o diretor de operações da SoftBank, Marcelo Claure, o foco do investimento será claro. "Procuramos empresas que tenham habilidade de usar inteligência artificial e dados para desafiar indústrias tradicionais", disse. "Se investimos em muitas áreas, é porque elas ainda não passaram por disrupção", disse o executivo, na segunda-feira, 11, ao jornal O Estado de S. Paulo.

Nesta semana, Claure, que é boliviano, está visitando a região - aqui, almoçou com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e visitou o Cubo, centro de startups do Itaú.

O valor que a SoftBank tem para investir na América Latina impressiona: é quatro vezes superior ao total de aportes de capital de risco realizado em startups da região em 2017, segundo a Associação Latino Americana de Venture Capital (Lavca, na sigla em inglês). Com os recursos, a japonesa promete garimpar promessas da região. "Queremos achar as startups latinas campeãs e levá-las para o mundo", disse Claure.

Outra prioridade será ajudar as mais de cem startups já presentes em seu portfólio a chegarem à América Latina. Para isso, a empresa deve abrir um escritório na região. "Provavelmente será em São Paulo, pois é onde a ação acontece."

Por que a SoftBank decidiu investir na América Latina?

Somos uma empresa japonesa tradicional. Começamos na China e no Vale do Silício. Depois, ao investir na Índia, percebemos o potencial de países emergentes. Como latino, passei muito tempo tentando convencer Masayoshi Son (fundador da SoftBank) a investir aqui. Temos visto cada vez mais latinos nos nossos escritórios. Vejo prosperidade econômica chegando ao continente, com reformas e ótimos empreendedores. Era a hora certa.

Qual será o foco dos aportes? A SoftBank é conhecida por apostar em diversas indústrias...

Temos um foco bem específico: procuramos empresas que tenham habilidade de usar inteligência artificial e dados para desafiar indústrias tradicionais. Se investimos em muitas áreas, é porque elas ainda não passaram por disrupção. Acredito que a internet, com Google e Facebook, só mudou uma indústria até agora: a da publicidade. Há muito mais por vir.

A SoftBank busca investir em empresas que podem ser líderes globais. O sr. vê esse potencial nas startups latinas?

Poderemos achar os campeões latinos e levá-los para o mundo. Temos um portfólio de cerca de cem empresas na SoftBank e podemos plugar as startups daqui com empresas parecidas do nosso portfólio. Também podemos ajudar as companhias de fora a se estabelecerem na região, um mercado de muito potencial.

Hoje, o Brasil recebe cerca de 70% do capital de risco para startups da América Latina. Essa proporção vai se manter?

Não temos nada preestabelecido. Queremos achar bons empreendedores, não importa onde estejam. A lógica diz que o Brasil tem a maior economia da região e é o ecossistema de startups mais bem desenvolvido. Hoje visitei o Cubo e fiquei impressionado: é um lugar que não se acha em muitas cidades do mundo. Também não temos valores definidos ou um prazo para investimentos. O que queremos é que os empreendedores tenham recursos ideais para crescer. Quando isso não acontece, a criatividade deles fica limitada. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Renault, WEG e EDP fazem parceria para expandir estações de recarga para veículos elétricos

A WEG fornecerá as estações de recarga para veículos elétricos e a EDP será responsável pelas vistorias e pela instalação dos equipamentos
Renault, WEG e EDP fazem parceria para expandir estações de recarga para veículos elétricos
Economia

Presidente sanciona a Lei Orçamentária de 2021 com veto parcial

Texto também terá bloqueio administrativo
Presidente sanciona a Lei Orçamentária de 2021 com veto parcial
Política

Maioria do STF vota para manter decisão que considerou Moro parcial

Julgamento foi suspenso por pedido de vista do ministro Marco Aurélio
Maioria do STF vota para manter decisão que considerou Moro parcial
Economia

BC aprova obrigatoriedade de bancos ofertarem Pix por agendamento

Instituições também ganharam mais prazo para Pix Cobrança
BC aprova obrigatoriedade de bancos ofertarem Pix por agendamento
Ver mais de Economia