ECONOMIA

Proposta que retira amarras do Orçamento não será apresentada agora, diz Marinho

13 Mar 2019 - 16h19Por Idiana Tomazelli

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, afirmou nesta quarta-feira, 13, que a proposta que retira as "amarras" do Orçamento não será apresentada agora, embora a ideia esteja "dentro do gene do governo".

A informação contraria a declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, que revelou em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo que a proposta de desvinculação, desindexação e descentralização do Orçamento será enviada logo e começará a tramitar pelo Senado.

A sinalização de Guedes acendeu o alerta entre lideranças do Congresso, incluindo o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que advertiu sobre o risco de que "alguns foquem num tema e esqueçam do outro".

Questionado sobre o risco de a chamada PEC do Pacto Federativo atrapalhar a tramitação da Previdência, Marinho disse: "Se não vai ser apresentado, essa pergunta deixa de ter sentido."

"O que o ministro Guedes faltou é que há uma ideia, que inclusive ele já explanou na posse dele, de se mudar estrutura que existe hoje orçamentária no País", explicou o secretário. Ele lembrou que uma PEC enviada pelo governo precisa começar a tramitar pela Câmara dos Deputados.

"O que o ministro está propondo é que haja discussão no Senado. Discussão é diferente de projeto de lei PEC", disse. Segundo ele, a ideia é que o Senado estabeleça essa discussão conversando com prefeitos e governadores. Porém, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), já disse que a intenção é que um senador apresente a proposta, que pode chegar à Casa até início de abril.

Em entrevista publicada na terça-feira pela agência Reuters, Marinho já havia dado explicações sobre outra declaração de Guedes ao Estado. O ministro disse que fixar idades diferentes para o pagamento "em fases" do benefício assistencial concedido a idosos miseráveis e um valor maior como partida ajudaria a aprovar a proposta no Congresso.

O modelo citado por Guedes previa pagamento de R$ 500 ou R$ 600 a partir dos 62 anos (a proposta estipula R$ 400 aos 60 anos) e de um salário mínimo aos 68 anos (no texto, está 70 anos). À Reuters, Marinho disse que isso não estava na mesa da equipe econômica e que o ministro estava apenas reverberando o que o Parlamento apresentou como alternativa.

Sobre a instalação nesta quarta-feira da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), primeira parada da reforma da Previdência na Câmara, Marinho disse que o governo "está tranquilo". "A partir da próxima semana, com entrega dos projetos que remanescem, teremos clima de tranquilidade para fazer discussão que projeto requer e transparência que sociedade precisa", afirmou.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Lojas de Jaraguá ficam abertas até 17h neste sábado

Segundo Talita Beber, presidente da CDL Jaraguá do Sul, o comércio local está preparado com promoções, ações de vendas casadas e, com foco na segurança por causa da pandemia
Lojas de Jaraguá ficam abertas até 17h neste sábado
Economia

Governo do Estado institui o Auxílio Catarina

Benefício emergencial será destinado a mais de 60 mil famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica no estado
Governo do Estado institui o Auxílio Catarina
Economia

Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia

O investimento do Executivo será superior a R$ 37 milhões, com recursos já garantidos no orçamento
Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia
Economia

Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp

Instituição financeira cooperativa oferece nova opção de transferência para os associados por meio de parceria com o Facebook
Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp
Ver mais de Economia