Imobiliária Coralli
Economia

Programa Travessia é apresentado como estratégia para recuperação pós-coronavírus

O Comitê de Desenvolvimento Regional do Vale do Itapocu debateu assuntos estratégicos para o setor produtivo em encontro virtual nesta semana

26 Jun 2020 - 09h14Por Da Redação
Presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, mostra o documento sobre o Programa Travessia - Crédito: Filipe ScottiPresidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, mostra o documento sobre o Programa Travessia - Crédito: Filipe Scotti

O objetivo do comitê é discutir, levantar e priorizar pontos de interesse para os nove setores de destaque na economia da região: vestuário, energia, tecnologia da informação e comunicação, bens de capital e metalmecânica, indústria da construção civil, indústria do mobiliário, alimentos, química, borracha e plásticos, saúde e turismo.

 

O diretor de inovação e competitividade da FIESC, José Eduardo Fiates apresentou o programa Travessia, idealizado pela entidade como proposta do setor produtivo ao enfrentamento da crise gerada pelo novo coronavírus, no pós-Covid-19. A iniciativa vai atuar em quatro frentes: reinvenção da indústria e da economia, investimento em infraestrutura, atração de capital e pacto institucional.

 

A iniciativa também foi apresentada nesta quarta-feira ao Governo do Estado, com o objetivo de promover uma travessia da crise, provocada pela pandemia, e que deve ter como consequência crises econômicas, de emprego, sociais e institucionais. Na primeira fase do projeto, a FIESC vai interagir com as diversas forças da sociedade, especialmente do meio empresarial, para buscar sugestões e aperfeiçoar o planejamento e as possíveis ações que podem ser implementadas.

 

Conforme o vice-presidente regional Célio Bayer, as demandas de formação profissional atuais e futuras relativas aos setores elencados pelo Conselho de Desenvolvimento Regional, os impactos causados pelas transformações tecnológicas e organizacionais e seus reflexos no desempenho profissional também foram assuntos do encontro, com apresentação do gerente executivo do SESI-SENAI do Vale do Itapocu e Planalto Norte, Jefferson Galdino.

 

O presidente da FIESC, Mário Cezar de Aguiar, também participou do encontro, juntamente com presidentes de associações empresarias e prefeitos dos municípios da região do Vale do itapocu.

 

“Nossa preocupação é dividir com o governo uma proposta para o pós-pandemia, para mitigar os efeitos da crise e fazer com que Santa Catarina possa sair mais rapidamente dessa situação. E sair fortalecida. Para isso, temos que nos reestruturar e encontrar mecanismos para integrar as entidades, governo e setor produtivo na busca de um caminho que seja convergente na solução dos desafios e na busca de oportunidades”, afirmou Mário Aguiar na apresentação ao Governo do Estado, lembrando que a FIESC está aberta para ouvir sugestões. “O espírito é trabalharmos em conjunto e termos um estado cada vez mais diferenciado. É uma união de forças. É uma proposta de Santa Catarina”, completou.

 

O diretor de inovação da FIESC, José Eduardo Fiates, ressalta que o programa Travessia envolve demandas do setor produtivo como um todo e já avançou no sentido de ter um programa mais amplo para contemplar uma parceria com o setor governamental. “Hoje estamos lançando a versão executiva do documento. É um documento aberto e o Observatório FIESC vai receber as sugestões. A ideia é construirmos um banco de projetos com propostas de empresas, empreendedores e municípios, por exemplo. Buscamos essa integração plena com o setor governamental. Unindo governo e o segmento empresarial nesse momento que temos que enfrentar os desafios da saúde e da economia, criando um conselho estratégico compartilhado”, explicou.

 

Fiates informou ainda que a FIESC tem conversado com empresas multinacionais e o Brasil, efetivamente, aparece na lista de opções não só de investimento, mas de fornecimento em relação à China. “O Brasil tem condições de ser essa alternativa”, afirmou. 

 

O que é o programa Travessia

 

O objetivo do programa é promover uma travessia da crise, provocada pela pandemia, e que deve ter como consequência crises econômicas, de emprego, sociais e institucionais. Na primeira fase do projeto, a FIESC vai interagir com as diversas forças da sociedade para buscar sugestões e aperfeiçoar o planejamento e as possíveis ações que podem ser implementadas.

 

Para elaborar o programa, a entidade fez uma ampla análise de estudos de consultorias internacionais que estão traçando cenários pós-coronavírus. Depois, comparou com países que tiveram uma situação dessa natureza no passado e criaram planos estruturantes, como o New Deal, dos Estados Unidos. A partir dessa análise, a Federação fez uma síntese daquilo que se adapta à realidade do Brasil e do estado e estruturou uma proposta que tem o objetivo central de posicionar Santa Catarina como referência em desenvolvimento e crescimento sustentável. Esse objetivo central é apoiado pelos quatro objetivos principais que são: a reindustrialização e o fortalecimento da indústria, a atração de capital, o desenvolvimento da infraestrutura e o pacto social e institucional.

Matérias Relacionadas

Economia

Produção industrial cresce em 14 locais em junho, diz IBGE

Maiores altas foram observadas nos estados do Amazonas e Ceará
Produção industrial cresce em 14 locais em junho, diz IBGE
Economia

INSS amplia serviço alternativo para receber documentação de segurados

Cópias dos documentos poderão ser depositadas em urnas nas agências
INSS amplia serviço alternativo para receber documentação de segurados
Economia

Mercado financeiro projeta queda de 5,62% na economia este ano

Para 2021, a estimativa de inflação permanece em 3%, diz BC
Mercado financeiro projeta queda de 5,62% na economia este ano
Economia

Celesc registra aumento no índice de inadimplência de 33% no primeiro semestre

Cortes de energia serão retomados em agosto. Consumidores de baixa renda não terão fornecimento interrompido
Celesc registra aumento no índice de inadimplência de 33% no primeiro semestre
Ver mais de Economia