Prates
Caraguá
ECONOMIA

Produção de grãos deve ser de 233,29 mi/t, 2ª maior da história, diz Conab

12 Mar 2019 - 11h15

A safra brasileira de grãos 2018/2019 deve alcançar 233,29 milhões de toneladas, o que corresponde a um aumento de 2,5% (5,61 milhões de t a mais) em comparação com o período anterior 2017/18 (227,67 milhões de t). Os dados fazem parte do sexto levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado nesta terça-feira, 12.

Conforme a Conab, o resultado mantém a safra 2018/19 como a segunda maior registrada na série histórica do País. "O bom desempenho é impulsionado pela melhora da produção do milho na segunda safra do grão", informa a Conab, em nota.

Para a segunda colheita do milho, a expectativa é que a produção seja de 66,60 milhões de toneladas, volume 23,6% superior ao registrado na safra passada. "Esse resultado é reflexo da maior área", afirma o superintendente de Informações do Agronegócio da Conab, Cleverton Santana. "Com 80% dos grãos já plantados, os agricultores devem destinar 12 milhões de hectares para plantio em vez dos 11,5 milhões de hectares da safra passada".

O superintendente ressalta, ainda, que a produtividade deve melhorar. "A expectativa é que sejam colhidos 5.228 quilos por hectare, mas estamos trabalhando com dados estatísticos, uma vez que ainda não é possível aferir o desempenho do milho nas lavouras".

O estuda aponta que o algodão também teve destaque positivo, atingindo produção de até 2,58 milhões de toneladas da pluma, um incremento de 28,4%. Segundo a Conab, com um cenário de mercado favorável para o produto, os agricultores brasileiros investiram em uma maior área plantada, que deve atingir a marca de 1,6 milhão de hectares.

A soja, responsável por cerca de 49% da produção nacional de grãos, terá uma redução de 4,9%, alcançando 113,46 milhões de toneladas. A quebra de safra prevista em 5,8 milhões de toneladas pode ser observada em importantes Estados que cultivam a oleaginosa, como Paraná, Goiás, Mato Grosso do Sul e na região do Matopiba (acrônimo formado com as iniciais dos Estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), principalmente na Bahia. Mesmo assim, esta é a terceira maior produção já registrada, próximo ao volume total de soja produzidos pelo País na safra 2004/2005.

O feijão também apresentou produção menor na primeira safra. Com uma colheita de 987,5 mil toneladas, a queda pode alcançar 23,2%. Com menos produto no mercado, o preço da leguminosa está atrativo para os produtores, o que incentiva uma maior área plantada na segunda safra do grão, que poderá resultar em uma produção de 1,356 milhão de toneladas (aumento de 11,5% em comparação com o ano passado). O número é impulsionado pelo aumento do feijão tipo cores, que tende a crescer em 28% e, na variedade preto, alta de 20,9%. No caso do feijão caupi a tendência é de uma queda de 6%, principalmente pela expectativa de redução da área cultivada em Mato Grosso.

A safra de arroz deve diminuir 11,8%, para 10,64 milhões de t, em comparação com 12,06 milhões de t.

A área de plantio total na safra 2018/2019 está estimada em 62,87 milhões de hectares. Se confirmada, será a maior já registrada no País. O incremento esperado é de 1,9% ou 1,15 milhão de hectares em relação à safra passada, estima a Conab.

Caraguá

Matérias Relacionadas

Segurança

Banco Central comunica vazamento de dados de 160,1 mil chaves Pix

Foram vazados dados cadastrais da Acesso Pagamentos
Banco Central comunica vazamento de dados de 160,1 mil chaves Pix
Economia

Presidente negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis

Em 2021, a gasolina e o diesel subiram 47%, Etanol acumula alta de 62%
Presidente negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis
Economia

Sindicato dos Metalúrgicos da região e classe patronal fecham reajuste para 2022

Confira o reajuste que será concedido aos trabalhadores
Sindicato dos Metalúrgicos da região e classe patronal fecham reajuste para 2022
Geral

Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 22 milhões

Próximo sorteio será no sábado
Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 22 milhões
Ver mais de Economia