ECONOMIA

PF apura desvio no Turismo e sistema s

20 Fev 2019 - 09h06Por Fabio Serapião, Marina Dayrell e Fausto Macedo

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira, 19, a Operação Fantoche para desarticular um suposto esquema criminoso envolvendo contratos feitos por meio de convênios com o Ministério do Turismo e entidades do Sistema S. Um dos principais alvos foi o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, preso na manhã desta terça em São Paulo. Apesar da decretação da prisão temporária por cinco dias, o executivo foi solto no início da noite.

Responsável pela representação da indústria do Brasil, a CNI é o órgão máximo do sistema sindical patronal da indústria e atua em articulação com os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, além de entidades no Brasil e no exterior.

Segundo informações da Polícia Federal, um grupo de empresas, sob o controle de um mesmo núcleo familiar, atuava desde 2002 executando contratos firmados por meio de convênios com o Ministério do Turismo e entidades paraestatais do Sistema S. Estima-se que essas companhias já tenham recebido mais de R$ 400 milhões decorrentes desses contratos.

O Sistema S vem sendo alvo de críticas da equipe econômica, que tem sinalizado o corte de verbas ao sistema e reforçado a falta de transparência das entidades. Formado por Sesi, Senai, Sesc, Senac, Senar, Sescoop e Sest - o grupo também tem sido investigado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), que, em seu último relatório, ao qual o jornal O Estado de S. Paulo teve acesso, apontou inconsistências nas prestações de contas apresentadas por dessas entidades. Por isso, a operação deflagrada nesta terça teve o apoio do TCU.

Investigação

As investigações apontaram que as empresas usavam entidades de direito privado, sem fins lucrativos, para justificar a celebração de contratos e convênios diretos com o ministério e Unidades do Sistema S.

Os contratos eram, em sua maioria, voltados à execução de eventos culturais e de publicidade superfaturados e só parcialmente cumpridos, sendo os recursos posteriormente desviados em favor do núcleo empresarial por intermédio de empresas de fachada. A principal beneficiária do suposto esquema teria sido a empresa Aliança Comunicação e Cultura.

Segundo a delegada Heloísa Albuquerque, responsável pela investigação, em alguns casos a "licitação" era fictícia e contava com a participação de empresas ligadas ao grupo criminoso. Após essa escolha, essas entidades ficavam com parte dos valores e repassavam o restante para as empresas executoras, como a Aliança. O delegado Renato Madsen, chefe da Delegacia de Combate ao Crime Organizado (Delecor), completou que o grupo conseguia ludibriar a fiscalização e dificultar o trabalho dos órgãos de controle simulando uma concorrência.

Em nota, a Aliança afirmou que todos os seus projetos passam por auditorias internas e externas, sem qualquer tipo de restrição quanto à qualidade e à entrega dos itens contratados. "Nesse momento, estamos nos empenhando para esclarecer todos os questionamentos levantados pela Polícia Federal."

A Polícia Federal cumpriu 40 mandados de busca e apreensão, nos Estados de Pernambuco, Minas Gerais, São Paulo, Paraíba, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul e Alagoas. A ação contou com a participação de 213 policiais federais e 8 auditores do TCU. As medidas foram determinadas pela 4.ª Vara Federal da Seção Judiciária de Pernambuco, que também autorizou o sequestro e o bloqueio de bens e valores dos investigados.

Pedido

No fim do dia, no entanto, a Justiça informou que a PF havia feito o pedido de soltura de alguns presos após a conclusão de buscas e apreensões. Além do presidente do CNI, também foram soltos o presidente da Fiepe (Pernambuco), Ricardo Essinger; o presidente do Sesi de Alagoas, José Carlos Lira Andrade; o presidente da Fiep (Paraná), Francisco de Assis Benevides Gadelha; além do empresário Hebron Costa Cruz de Oliveira.

Segundo o juiz que deflagrou a operação desta terça, Cesar Arthur Cavalcanti de Carvalho, apesar de Robson Andrade ser o atual diretor do Departamento Nacional (portanto se poderia imaginar que estivesse mais alheio ao que ocorre nos territórios das regionais), ele "está vinculado à suposta origem das fraudes". Isso porque, na época em que fatos investigados agora ocorreram, o executivo era diretor Regional do Sesi/MG e também vice-presidente do Departamento Nacional. De acordo com o juiz, ele avalizou os diversos projetos contratados pelas entidades regionais.

Em nota, a CNI afirmou que não teve acesso à investigação, mas acredita que tudo será devidamente esclarecido. "Como sempre fez, a entidade está à disposição para oferecer todas as informações que forem solicitadas pelas autoridades."

O Ministério do Turismo afirmou que já havia determinado uma auditoria completa em todos os convênios para repasse de recursos da pasta mesmo antes mesmo da operação da PF e que está à disposição para colaborar com a investigação.

O Sistema Fecomércio/Senac/Sesc-PE afirmou em nota que não praticou nenhum ato ilícito e não é citado ou investigado em nenhuma operação ou processo criminal. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Bolsonaro zera PIS e Cofins do diesel e do gás de cozinha

Medidas foram publicadas em edição extra do Diário Oficial
Bolsonaro zera PIS e Cofins do diesel e do gás de cozinha
Economia

Dólar fecha praticamente estável a R$ 5,60

Bolsa encerra segunda-feira com pequena alta
Economia

Carnês do IPTU de Jaraguá podem ser impressos no site da prefeitura

Esta opção também está disponível no App Jaraguá na Mão
Carnês do IPTU de Jaraguá podem ser impressos no site da prefeitura
Economia

Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás

Reajuste será nas refinarias e entra em vigor amanhã
Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás
Ver mais de Economia