ECONOMIA

Oi quer Amos Genish, ex-Vivo, como presidente

23 Fev 2019 - 09h18Por Mônica Scaramuzzo

O executivo israelense Amos Genish foi procurado pela operadora Oi para presidir a tele brasileira, apurou o jornal O Estado de S. Paulo com fontes a par do assunto. Não é a primeira vez que Genish, fundador da GVT (vendida para a Telefônica por R$ 22 bilhões) e ex-presidente da Vivo e da Telecom Itália, é sondado pela companhia, em recuperação judicial desde junho de 2016.

Os acionistas da tele brasileira estão em busca de um nome forte no mercado de telecomunicação para conduzir o processo de reestruturação da empresa. A operadora, que viveu um longo período de sangria financeira - a tele entrou com pedido de proteção na Justiça, com dívidas declaradas de R$ 65 bilhões -, tem tentado estancar a crise mais aguda pela qual passa.

O nome de Genish ganhou força no fim do ano passado, quando o executivo foi afastado da presidência da Telecom Itália, dona da TIM no Brasil. A saída de Genish da tele italiana ocorreu porque o fundo americano Elliott, que se tornou um dos principais acionistas da operadora, ganhou mais assentos no conselho e exigiu mudanças na cúpula da tele.

Pessoas próximas a Genish confirmaram que o executivo foi procurado pela Oi, mas afirmaram que, por ora, ele descarta o convite. Afastado da presidência da Telecom Itália em novembro passado, Genish voltou a exercer funções executivas na Vivendi e é membro do conselho da Telecom Itália. Fundador da operadora GVT, vendida por R$ 22 bilhões à Telefônica, Genish presidiu a Vivo antes de ir para Vivendi.

No dia 29 de março, data da nova assembleia da Telecom Itália, o fundo Elliott e a francesa Vivendi voltam a se enfrentar para discutir a composição do conselho da empresa. Uma nova briga de poder não está descartada.

Novos acionistas

Depois de meses de disputa societária entre a Pharol (antigos acionistas da Portugal Telecom) e o empresário Nelson Tanure, sócio da tele, fundos de investimentos se tornaram os maiores acionistas da Oi, que tem controle pulverizado. As gestoras Golden Tree, York e Solus estão entre os maiores sócios. A Bratel, subsidiária da Pharol, é a terceira maior acionista.

Fontes próximas à operadora afirmaram ao Estado que o nome de Genish é o favorito para conduzir as mudanças na companhia. Caso o executivo recuse de vez o convite, o plano B seria Rodrigo Abreu, ex-presidente da TIM e hoje na Quod. Abreu também é membro do conselho de administração da Oi. No passado, uma das soluções apontadas para resolver os problemas financeiros da Oi foi uma fusão com a TIM.

A operadora brasileira é comandada desde o fim de 2017 pelo executivo Eurico Teles, funcionário de carreira da Oi e diretor jurídico da companhia. Teles tem sido responsável pelo processo de reestruturação da operadora, com apoio do juiz responsável pela recuperação judicial da Oi, e sua permanência à frente da tele está garantida até o fim deste mês.

Pessoas próximas à Oi afirmaram à reportagem que a mudança da gestão da companhia ainda não foi discutida pelo conselho de administração - ao menos até a última reunião, realizada na quinta-feira.

Revisão estratégica

Quarta maior operadora de telefonia do País, a Oi anunciou, no início deste ano, a contratação do Bank of America Merrill Lynch para vender ativos da companhia, como torres de telefonia e centrais de processamento de dados. A consultoria Boston Consulting Group (BCG) também foi recrutada para conduzir o processo de revisão estratégica da operadora.

Procurada, a Oi não quis comentar o assunto. O fundo Golden Tree preferiu não se manifestar. As gestoras York e Solus não retornaram os pedidos de entrevista. Os executivos Amos Genish e Rodrigo Abreu também não quiseram comentar o assunto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Jaraguá terá novas medidas contra covid-19 a partir de 1º de março

Medida terá validade por 15 dias
Jaraguá terá novas medidas contra covid-19 a partir de 1º de março
Saúde

Com novo decreto, Prefeitura de Jaraguá detalha restrições

O Governo do Estado publicou o Decreto 1.172 nesta sexta-feira (26) suspendendo o funcionamento de serviços não essenciais das 23h desta sexta-feira (26) até às 6h de segunda-feira (1º)
Com novo decreto, Prefeitura de Jaraguá detalha restrições
Saúde

Governo decreta fechamento de atividades não essenciais no fim de semana em SC

A decisão é mais uma medida do Executivo estadual para reforçar o enfrentamento ao coronavírus em um momento de agravamento da situação sanitária em Santa Catarina
Governo decreta fechamento de atividades não essenciais no fim de semana em SC
Economia

Câmara de Dirigentes Lojistas de Jaraguá do Sul inova com lançamento do CDL BOX

Além de beneficiar clientes e lojistas, a ferramenta ainda servirá para ajudar instituições jaraguaenses cadastradas.
Câmara de Dirigentes Lojistas de Jaraguá do Sul inova com lançamento do CDL BOX
Ver mais de Economia