Economia

O que levar em conta ao realizar uma compra à vista ou a prazo?

Dicas que ajudam avaliar os critérios que realmente impactam nessa decisão

24 Mar 2019 - 16h00Por Boa Vista SCPC
O que levar em conta ao realizar uma compra à vista ou a prazo? -

A maioria dos educadores financeiros afirma que pagar à vista uma compra é a melhor prática para quem deseja manter o controle de suas finanças, porque assim evita dívidas futuras. No entanto, essa decisão depende da análise de inúmeros fatores, por isso, para contribuir com a análise do consumidor no momento da sua tomada de decisão, a Boa Vista tem algumas orientações.

A urgência na compra é fator determinante para a decisão de pagar à vista ou parcelado, caso não haja dinheiro disponível no momento. Por exemplo, se há a necessidade de comprar uma geladeira ou um par de óculos, que quebraram. A compra parcelada vai possibilitar adquirir o item imediatamente caso o consumidor não tenha o dinheiro. Afinal, não é possível ficar sem geladeira e nem sem os óculos. Neste caso, o que vai determinar na decisão é a ponderação. 

A compra parcelada pode evitar, inclusive, de cair no crédito rotativo do cartão ou nos juros do cheque especial, normalmente muito mais altos do que os de um parcelamento. Se o consumidor tem o dinheiro, mas o pagamento à vista vai deixá-lo sem reserva financeira, é preferível parcelar. Pois se surgir alguma emergência, terá recursos financeiros e não necessitará entrar no cheque especial.

É também vantajoso comprar parcelado quando não há desconto no pagamento à vista. Se tiver o valor para pagar a compra de uma só vez – e se o consumidor for organizado financeiramente –, opte pela compra parcelada, pague a primeira parcela e aplique (pode ser na poupança) o valor restante. A ideia é retirar mensalmente a quantia de cada parcela para quitá-la. No fim do prazo, o consumidor verá que teve um rendimento, que pode parecer pouco, mas não deixa de ser um lucro.

Pagar em parcelas é uma boa opção para quem precisa adquirir algo que vai trazer benefícios futuros.
Exemplos: se o consumidor necessitar de um carro novo, um equipamento qualquer, um computador ou outros bens que serão utilizados para o trabalho e vão gerar renda. Ou até mesmo para fazer um curso, que será fundamental para o desenvolvimento profissional.

Faça as contas antes de parcelar
Antes de fazer qualquer parcelamento, é fundamental verificar o orçamento doméstico para ter conhecimento de que o valor a ser desembolsado mensalmente não irá deixar no vermelho. Se o consumidor não sabe como prepará-lo, a Boa Vista orienta baixar gratuitamente a “Cartilha do Orçamento Doméstico”, no portal Consumidor Positivo – www.consumidorpositivo.com.br. 

Dinheiro está aplicado
Será que vale a pena sacar o dinheiro aplicado para comprar à vista? Ou será que o rendimento compensa os juros do valor parcelado? A decisão deve ser tomada com base no rendimento do valor que está investido, nos juros das parcelas do que se pretende comprar e no desconto oferecido para o pagamento à vista.

Primeiro é bom saber que, conforme a Resolução 3.517/07, do Banco Central, quem vai ceder o crédito é obrigado a informar a composição do Custo Efetivo Total (CET), detalhando os encargos que compõem o financiamento. O CET é a taxa que considera todos os encargos e despesas incidentes nas operações de crédito contratadas. Nele estão a soma de taxas de juros, os tributos, as tarifas, o IOF, o seguro e as demais despesas do contrato de financiamento ou parcelamento. Sabendo o que é CET e conhecendo o valor dos rendimentos de sua aplicaçãoo consumidor deve fazer o cálculo dos juros que pagará na compra a prazo.

Para ajudar a fazer esta conta, uma boa ferramenta é a Calculadora do Cidadão, do Banco Central. Com ela é possível fazer várias simulações, como de cálculo de tempo que um empréstimo será quitado tendo como informação o valor, a taxa de juros e o valor de cada prestação. Outra possibilidade é conhecer a porcentagem de juros sabendo-se o número de parcelas, o valor delas e o preço à vista. Pode-se ainda calcular o valor da prestação digitando na calculadora o valor do bem, o número de parcelas e a taxa de juros. Por fim, o cálculo do valor total, tendo como informação o número de parcelas, o valor de cada uma e a taxa de juros. 

Tendo feito os cálculos, o consumidor saberá se a taxa de juros do bem parcelado é maior ou menor do que a rentabilidade da sua aplicação. Estas informações vão impactar na sua decisão de comprar à vista ou parcelado.

Se durante o prazo de pagamento sobrar algum dinheiro, é possível quitar as demais parcelas de uma só vez, aproveitando, é claro, para negociar os descontos dos juros futuros.


Quer ser o primeiro a saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região? CLIQUE AQUI e receba direto no seu WhatsApp!

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Caixa sorteia R$ 30 milhões da Dupla-Sena da Páscoa neste sábado

Apostas podem ser feitas até as 19h
Caixa sorteia R$ 30 milhões da Dupla-Sena da Páscoa neste sábado
Economia

WEG anuncia novos investimentos em Minas Gerais

Com uma nova fábrica de Eletrocentros em Betim, companhia pretende fortalecer sua posição em um dos mais importantes mercados de equipamentos elétricos industriais e para geração de energia do país
WEG anuncia novos investimentos em Minas Gerais
Economia

Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias

Litro do diesel passará a custar R$ 2,76, e o da gasolina, R$ 2,64
Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias
Economia

Seifert Óptica e Joalheria completa 35 anos em Jaraguá do Sul

Para falar um pouco sobre a trajetória da empresa, Guido e Gabriel Seifert participaram ao vivo do Diário da Jaraguá desta sexta-feira (16)

Seifert Óptica e Joalheria completa 35 anos em Jaraguá do Sul
Ver mais de Economia