ECONOMIA

Mourão receberá Sindicato dos Metalúrgicos do ABC para reunião sobre a Ford

28 Fev 2019 - 21h39Por André Ítalo Rocha

O vice-presidente Hamilton Mourão receberá nesta sexta-feira, 1, em Brasília, o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Wagner Santana, conhecido como Wagnão, para uma discussão sobre a fábrica da Ford em São Bernardo do Campo, que será encerrada pela montadora ao longo de 2019.

A intenção do sindicato é pedir a ajuda do governo federal para reverter a decisão da Ford, garantindo, assim, a permanência da produção e dos 2 mil empregos que seriam perdidos com o fim da operação.

"Vamos lá explicar a situação dos trabalhadores, dar a dimensão do impacto de uma decisão como essa para a região e para o País. Entendemos que o governo federal tem um papel importante nessa discussão, em que está em jogo a preservação de empregos", explicou Wagnão.

O presidente do sindicato, inclusive, notou que Mourão foi rápido em atender ao pedido para a reunião. Segundo ele, o encontro foi solicitado na quarta-feria e a resposta chegou nesta quinta, com o agendamento para sexta. "Eles devem receber milhares de pedidos de agenda, então, se nos atenderam com essa rapidez, é um sinal de respeito", disse Wagnão, que lidera o sindicato que foi o berço político do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, adversário do presidente Jair Bolsonaro.

Wagnão disse que não vai a Brasília para brigar por incentivos para a Ford. "Vamos discutir quais são as possibilidades para que a empresa fique", afirmou.

O presidente do sindicato participou nesta quinta de uma audiência no Ministério Público do Trabalho com representantes da Ford e o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando. Segundo o sindicalista, a reunião não foi produtiva porque os representantes da Ford eram da área jurídica e estavam lá para discutir alternativas para a demissão dos funcionários, enquanto o sindicato apenas quer conversar sobre caminhos para manter a fábrica da Ford.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Valor médio de auxílio emergencial será de R$ 250, diz Guedes

Expectativa é que benefício comece a ser pago ainda neste mês
Valor médio de auxílio emergencial será de R$ 250, diz Guedes
Economia

Petrobras aumenta preços da gasolina e do diesel nas refinarias

Sexto aumento da gasolina do ano é da ordem de 9,2% para R$ 2,84
Petrobras aumenta preços da gasolina e do diesel nas refinarias
Política

Governo indica seis nomes para Conselho da Petrobras

Indicados serão apresentados à Assembleia Geral Extraordinária
Governo indica seis nomes para Conselho da Petrobras
Saúde

Supremo confirma vigência de medidas sanitárias contra a covid-19

Ministros mantiveram decisão de Lewandowski, de dezembro
Supremo confirma vigência de medidas sanitárias contra a covid-19
Ver mais de Economia