ECONOMIA

Mercado realiza lucros após reforma da Previdência e taxas fecham em alta

20 Fev 2019 - 19h42Por Denise Abarca

Um movimento de realização de lucros deu o tom nesta quarta-feira, 20, aos negócios no mercado de juros e as taxas devolveram a queda registrada na terça para fecharem em alta. A reforma da Previdência foi bastante elogiada, mas sua "robustez" - economia fiscal de R$ 1,164 trilhão em dez anos - já estava precificada e os investidores "realizaram no fato". No fim da tarde, a reação negativa do câmbio à ata do Federal Reserve contaminou a renda fixa e as taxas ampliaram a correção.

Num dia de liquidez forte, o avanço foi um pouco mais pronunciado nos vencimentos longos, que haviam recuado com mais força na sessão anterior. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020 fechou com taxa de 6,425%, de 6,380% na terça no ajuste, e a do DI para janeiro de 2021 encerrou a 7,09%, de 6,991% na terça no ajuste. O DI para janeiro de 2023 fechou com taxa de 8,20%, de 8,062% na terça no ajuste, e o DI para janeiro de 2025 encerrou em 8,72%, de 8,561%.

"Estamos realizando lucro, porque a proposta da Previdência é muito boa, mas já era esperada. O marco inicial é bastante positivo e agora se debate o quanto vai ser diluído nas negociações com o Congresso. Se chegar a algo entre R$ 500 bilhões e R$ 600 bilhões está de bom tamanho", avaliou o trader de renda fixa do Banco Sicredi, Getúlio Ost, segundo o qual também o mercado já conta com certa dificuldade na tramitação da proposta.

A economia de R$ 1,164 trilhão já conta com a alteração nas regras de Previdência para militares, cujo projeto só deve ser encaminhado ao Congresso daqui a um mês. A principal mudança da PEC já havia sido antecipada na semana passada, que é a idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres se aposentarem. O período de transição é de 12 anos, menor do que o proposto no projeto do governo Temer, de 20 anos.

A reforma é a prova de fogo para a articulação política do governo, que foi abalada pela demissão de Gustavo Bebianno da Secretaria-Geral da Presidência, já que deve enfrentar grande resistência de parte dos governadores e algumas bancadas no Congresso. A expectativa do secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, é de que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) seja aprovada em dois turnos pela Câmara dos Deputados e do Senado até o recesso parlamentar de julho.

Após a divulgação da ata do Fed, as taxas, já na sessão estendida, aceleraram o avanço, na medida em que o dólar ganhava força ante o real, dados os alertas dos dirigentes trazidos pelo documento sobre o risco de desaceleração da economia global.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Senado aprova suspensão no aumento de preço de medicamentos em 2021

Texto determina a reversão de reajustes já aplicados neste ano
Senado aprova suspensão no aumento de preço de medicamentos em 2021
Economia

Programa de redução de salário preserva 1,5 milhão de empregos

Empresas de serviço e de comércio têm usado mais programa do governo
Programa de redução de salário preserva 1,5 milhão de empregos
Economia

Petrobras obtém lucro de mais de R$ 1 bilhão no primeiro trimestre

Empresa aumentou produção de petróleo e gás natural em 3%
Petrobras obtém lucro de mais de R$ 1 bilhão no primeiro trimestre
Saúde

Guaramirim fará vacinação da covid nesta sexta-feira em idosos acima de 60 anos

Serão atendidos os idosos pré-cadastrados do número 3511 até o 3751
Guaramirim fará vacinação da covid nesta sexta-feira em idosos acima de 60 anos
Ver mais de Economia