ECONOMIA

Marca de R$ 1 trilhão de economia é importante para reforma, diz Guedes

20 Fev 2019 - 17h28Por Fabrício de Castro

O ministro da Fazenda, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira, 20, que a marca de R$ 1 trilhão é importante para a reforma da Previdência. Segundo ele, caso a reforma seja desidratada e não se atinja uma economia neste valor, as novas gerações serão comprometidas.

"Consideramos R$ 1 trilhão uma marca importante. Na transição para o regime de capitalização, que vai acelerar o crescimento brasileiro, democratizar a poupança e permitir que as futuras gerações sejam protegidas, R$ 1 trilhão é a marca", afirmou Guedes, em rápida entrevista a jornalistas na portaria do Ministério da Economia.

"Abaixo de R$ 1 trilhão, você já começa a comprometer o lançamento para as novas gerações, porque vamos lançar um regime de capitalização. E nós precisamos de uma folga, um impulso fiscal, suficiente - ou seja, acima de R$ 1 trilhão - que nos permita lançar o sistema novo", acrescentou o ministro.

De acordo com Guedes, caso a reforma seja desidratada, o Brasil não conseguirá "escapar desta armadilha".

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Governo do Estado institui o Auxílio Catarina

Benefício emergencial será destinado a mais de 60 mil famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica no estado
Governo do Estado institui o Auxílio Catarina
Economia

Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia

O investimento do Executivo será superior a R$ 37 milhões, com recursos já garantidos no orçamento
Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia
Economia

Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp

Instituição financeira cooperativa oferece nova opção de transferência para os associados por meio de parceria com o Facebook
Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp
Geral

Mercado de energia solar cresce 70% e se posiciona como promissor e lucrativo no Brasil

Mercado de energia solar cresce 70% e se posiciona como promissor e lucrativo no Brasil
Ver mais de Economia