Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

Magalhães destaca dados do Caged que indicariam recuperação do consumo

25 Mar 2019 - 16h14Por Eduardo Rodrigues

O coordenador geral de estatísticas da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Mário Magalhães, destacou nesta segunda-feira, 25, dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) que indicariam a recuperação do poder de consumo da população. O mercado de trabalho brasileiro criou 173.139 empregos com carteira assinada em fevereiro.

O setor de serviços de alojamento, alimentação e reparação registrou a abertura líquida de 23.120 vagas em fevereiro deste ano, ante 3,1 mil em fevereiro do ano passado. Já o segmento de comércio e administração de imóveis abriu 22.454 vagas em fevereiro, ante 12,7 mil em fevereiro de 2018.

O transporte de cargas também registrou aumento em fevereiro em linha com o crescimento do comércio atacadista. "Isso mostra que os brasileiros consumiram mais no mês passado. Os dados mostram um aquecimento da atividade econômica", avaliou Magalhães. Para ele, a maior abertura de vagas com carteira também na indústria e na construção civil podem sinalizar uma retomada mais robusta do emprego em 2019.

Entre os melhores resultados da indústria em fevereiro destacam-se calçados (6.819 postos), têxteis (5.965 postos), borracha/fumo/couros (5.444 postos), metalurgia (4.402 postos), farmacêuticos (3.961 postos) e mecânica (3.631 postos). Já a indústria de alimentos fechou 4.841 vagas no mês, puxada pelo encerramento de 15 mil vagas na indústria da cana de açúcar em fevereiro.

Na construção civil, a maior abertura de vagas ocorreu no segmento de construção de residências, com 5.894 postos. "Isso mostra uma retomada do crédito para a população", comentou Magalhães. "Já as obras de infraestrutura continuam em ritmo mais lento", ponderou.

No comércio, o destaque foi para o comércio atacadista, que gerou 8.706 vagas em fevereiro, ante 3,5 mil no mês do ano passado. Já o comércio varejista fechou 2.716 vagas em fevereiro, ante um corte de mais de 20 mil vagas no mesmo mês de 2018.

Magalhães detalhou ainda a entressafra da agricultura em fevereiro, com criação de 5.898 vagas na produção de frutas (exceto laranja e uva), mas o fechamento de 6.270 vagas apenas no cultivo da laranja. "As demais culturas ficaram praticamente estáveis no mês. A partir de março e abril devem retornar as contratações no campo até junho", concluiu.

O secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo, avaliou que a forte criação de empregos em fevereiro demonstra uma clara tendência de melhora do ambiente econômico, com a expectativa da aprovação de reformas como a da Previdência.

"Esse foi o sexto melhor resultado para meses de fevereiro na história do indicador e o melhor desempenho para o mês desde 2014", reforçou. "Olhando para esse começo de ano, o saldo de 211.474 empregos no 1º bimestre é 50% maior do que o registrado nos primeiros dois meses de 2018. Houve crescimento do emprego em sete dos oito setores acompanhados pelo Caged", acrescentou.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Banco do Brasil oferece prova de vida do INSS por aplicativo

Ferramenta diminui comparecimento às agências
Banco do Brasil oferece prova de vida do INSS por aplicativo
Geral

Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim

Todas as pessoas físicas podem fazer doações de recursos financeiros aos Fundos Municipais
Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim
Economia

Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol

Álcool acumula aumento de 21% desde janeiro
Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol
Economia

Indústria brasileira cresce 0,4% de dezembro para janeiro

Setor teve expansão de 0,8% na média móvel trimestral
Indústria brasileira cresce 0,4% de dezembro para janeiro
Ver mais de Economia