GNet
Caraguá
ECONOMIA

Kátia Abreu e PDT vão ao Supremo para pedir mudança em leilão da Norte-Sul

27 Mar 2019 - 16h32Por André Borges

Um dia antes do leilão da Ferrovia Norte-Sul, o PDT vai entrar com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF), para pedir que sejam incluídas regras que permitam o uso múltiplo da ferrovia por diferentes empresas, o chamado "direito de passagem".

A ação ordinária com pedido de liminar será apresentada pelo partido, a pedido da senadora Kátia Abreu (PDT-TO). "Nosso pedido é para que o Supremo peça a inclusão do direito de passagem, que não foi respeitado no edital atual e que precisa ser urgentemente revisado", disse a senadora ao Broadcast/Estado.

Os advogados do partido estarão no Supremo nesta tarde. A ação deve ser encaminhada ao ministro Luis Roberto Barroso. Na ação, o PDT destaca que, segundo informações obtidas com a estatal Valec, o valor efetivo de concessão da Norte-Sul seria hoje de R$ 6,5 bilhões, se consideradas as movimentações financeiras e projeções de negócios para a ferrovia. O edital atual estabelece um piso de R$ 1,3 bilhão para o leilão.

A VLI, que tem a mineradora Vale como sócia, e a Rumo, ligada ao Grupo Cosan, são as únicas empresas que levaram propostas comerciais para disputar a Norte-Sul. Elas são, também, as únicas empresas que já controlam as extremidades da ferrovia que será concedida. A VLI atua desde 2007 no trecho norte, entre Palmas (TO) e Açailândia (MA), enquanto a Rumo controla o extremo sul da ferrovias, entre São Paulo e o porto de Santos.

O governo, a VLI e a Rumo negam qualquer tipo de favorecimento e alegam que as regras foram debatidas, são públicas e que passaram pelo plenário do Tribunal de Contas da União. Para o agronegócio, MPF, MP de Contas, empresas do setor e associações ferroviárias, no entanto, as cláusulas do edital afastam novos concorrentes e privilegiam a continuidade dessas empresas nas operações, favorecendo o monopólio.

Na semana passada, o governo firmou entendimento com o MPF para que as atuais concessões dessas empresas, que começam a vencer em 2017, consigam garantir mais 30 anos de contrato, com renovação antecipada dessas concessões. A proposta ainda é analisada pela área técnica do TCU. O alinhamento sobre a renovação dessas concessões antigas era questão fundamental para que essas concessionárias garantissem entrada no leilão da Norte-Sul.

O Brasil não concede uma ferrovia à iniciativa privada há 12 anos. O leilão dos 1.537 km de extensão da estrada de ferro que corta o eixo central do Brasil, ligando Porto Nacional (TO) a Estrela D'Oeste (SP), é prioridade na agenda do governo Bolsonaro. Na terça-feira, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, fez um corpo a corpo no Congresso para tentar aplacar as críticas.

Caraguá

Matérias Relacionadas

Economia

Sindicato dos Metalúrgicos da região e classe patronal fecham reajuste para 2022

Confira o reajuste que será concedido aos trabalhadores
Sindicato dos Metalúrgicos da região e classe patronal fecham reajuste para 2022
Geral

Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 22 milhões

Próximo sorteio será no sábado
Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 22 milhões
Economia

Governo afirma que IPVA cobrado em Santa Catarina não sofre reajuste

Entenda o aumento no valor a ser pago este ano, em comparação ao ano passado.
Governo afirma que IPVA cobrado em Santa Catarina não sofre reajuste
Economia

WEG vai abrir nova fábrica na Ásia

Previsão de inauguração é para o primeiro semestre deste ano
WEG vai abrir nova fábrica na Ásia
Ver mais de Economia