ECONOMIA

Juros futuros fecham com viés de baixa, em sessão de liquidez fraca

17 Dez 2018 - 17h47Por Denise Abarca

O mercado de juros começou a semana em marcha lenta com as taxas futuras rondando a estabilidade durante a maior parte da sessão desta segunda-feira, 17, que teve liquidez reduzida. A partir do fim da sessão regular, se firmaram em baixa, em especial no chamado miolo da curva, renovando mínimas em meio à aceleração da queda do dólar ante o real e declarações do futuro ministro da Economia Paulo Guedes reforçando a pauta liberal do novo governo. A menor disposição para a montagem de posições pode ser atribuída ao compasso de espera pela forte agenda da semana, que tem como destaques a ata do Copom nesta terça-feira, a decisão de política monetária nos Estados Unidos na quarta-feira e o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) na quinta. Já a agenda do dia, com IBC-Br e pesquisa Focus, ficou em segundo plano.

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) fechou com taxa de 6,590%, de 6,591% no ajuste de sexta-feira, e o DI para janeiro de 2021 terminou com taxa de 7,45% (mínima), de 7,502% no último ajuste. A taxa do DI para janeiro de 2023 caiu de 8,812% para 8,78% e a do DI para janeiro de 2025 ficou estável, em 9,45%, de 9,452%.

Breno Martins, economista da Mongeral Aegon Investimentos, lembrou que a segunda-feira foi positiva para as moedas emergentes, mas uma oscilação maior dos juros ficou para o final da sessão. "Temos o dólar e os juros com queda à tarde pelo mesmo motivo: as declarações de Paulo Guedes", disse. A moeda americana voltou a fechar abaixo dos R$ 3,90.

As afirmações de Guedes não chegam a ser novidade, mas, de todo modo soam como música para os ouvidos do mercado, alimentando a confiança de que o novo governo vai conseguir apoio para colocar as contas em ordem. Em palestra durante almoço com empresários na Firjan, Guedes afirmou que Estados e municípios devem ajudar nas reformas do Estado e também que, no ano que vem, vão ter dinheiro com o leilão de áreas de pré-sal excedentes da cessão onerosa. Para que o leilão aconteça, no entanto, espera contar com a ajuda das bancadas regionais no Congresso. "Vai ter dinheiro para todo mundo no ano que vem com cessão onerosa, se Estados e municípios me ajudarem", disse.

O apoio dos governos regionais é tido como importante para a tramitação das reformas, sobretudo a mais urgente, a da Previdência, que, por sua vez, é fundamental para o ajuste fiscal. Em contrapartida, em boa medida, os governadores têm condicionado o apoio às reformas à partilha do bônus da cessão onerosa, que pode render R$ 100 bilhões aos cofres públicos.

Sobre a Previdência, ele voltou a defender o sistema de capitalização, mas admitiu que já não é possível fazer uma transição que inclua todos os trabalhadores. Por isso, a saída é reformar o atual sistema de repartição, "geneticamente condenado", deixando o sistema de capitalização para gerações futuras. Guedes não fez menção à atual proposta de reforma da Previdência que está no Congresso.

Matérias Relacionadas

Economia

Sorteio da Quina de São João será neste sábado

Prêmio de R$ 170 milhões é o maior do concurso
Sorteio da Quina de São João será neste sábado
Economia

Banco Central nega possibilidade de golpe com Pix agendado

Segundo órgão, mensagem que circula na internet não passa de rumor
Banco Central nega possibilidade de golpe com Pix agendado
Economia

Governo deve anunciar prorrogação do auxílio nesta semana, diz Guedes

Ministro se reuniu com empresário na Fiesp, em São Paulo
Governo deve anunciar prorrogação do auxílio nesta semana, diz Guedes
Política

Secretário e deputados discutem aperfeiçoamento do Prodec

A iniciativa visa tornar os benefícios do principal programa de incentivo ao desenvolvimento da indústria mais acessíveis ao investidor
Secretário e deputados discutem aperfeiçoamento do Prodec
Ver mais de Economia