105 Ouça
Caraguá
ECONOMIA

IPCA supera previsões, mas juros caem com otimismo sobre Previdência e exterior

12 Mar 2019 - 18h58Por Denise Abarca

O IPCA de fevereiro acima da previsão dos analistas não impediu que os juros dessem sequência, desde a abertura da sessão nesta terça-feira, 12, ao movimento de queda já registrado na segunda, ainda motivada pelas perspectivas positivas para a tramitação da reforma da Previdência e pela manutenção do apetite ao risco de ativos emergentes, realimentado pelos dados comportados da inflação ao consumidor nos Estados Unidos.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020 fechou a etapa regular com taxa de 6,415%, na mínima, de 6,445% na segunda no ajuste, e a do DI para janeiro de 2021 caiu de 7,061% para 7,02%. A taxa do DI para janeiro de 2023 fechou em 8,09%, de 8,152%, e a do DI para janeiro de 2025 recuou de 8,672% para 8,62%.

"O IPCA de hoje (terça) engana. Parece que é ruim, mas foram pressões sazonais e os núcleos estão bem comportados. Isso, conjugado com o dado de inflação lá fora, dá viés de baixa para a política monetária aqui e no exterior, o que ajuda câmbio e o DI", disse o sócio-gestor da LAIC-HFM, Vitor Carvalho. O IPCA subiu 0,43% em fevereiro, ante 0,32% em janeiro. O dado ficou acima do teto das estimativas coletadas pelo Projeções Broadcast, que iam de 0,30% a 0,42%. Em 12 meses, acumulou 3,89%, variação ainda bem abaixo da meta de inflação de 4,25% para 2019.

Dada a percepção de que a inflação não será empecilho para a política monetária, agora a grande expectativa é pelos dados de atividade que saem ao longo da semana. Nesta quarta, será divulgada a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) e a mediana das estimativas aponta para queda de 0,27% na produção em janeiro. Na quinta-feira, sai a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC). "Toda a dúvida agora é saber em que grau se dá a desaceleração da atividade. Se os dados vierem ruins, ganha força o debate sobre a queda da Selic ainda este ano", diz um gestor.

Por ora, a curva segue precificando majoritariamente Selic estável em 6,50% até o fim do ano.

Nos Estados Unidos, o índice de preços ao consumidor subiu 0,2% em fevereiro ante janeiro, e o núcleo avançou 0,1%, ficando um pouco abaixo da projeção de alta de 0,2%. Na comparação anual, o CPI subiu 1,5% e seu núcleo, 2,1%, ante expectativas de 1,6% e 2,2%. Os números respaldam a sinalização do Federal Reserve de que deve manter os juros inalterados ao longo do ano, o que pressionou para baixo o rendimento dos Treasuries. Perto das 17h, a taxa da T-Note de dez anos apontava 2,601%, de 2,64% na segunda no ajuste.

Sobre a reforma da Previdência, o noticiário não avançou nesta terça-feira, mas os investidores seguem alimentando grande expectativa com relação à aprovação este ano. Nesta quarta será instalada a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), por onde a proposta começará a tramitar. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que a reforma deverá ser votada pela CCJ até o dias 27 ou 28 de março, o que já era esperado pelo mercado.

GNet

Matérias Relacionadas

Economia

Receita abre consulta a lote residual de restituições do IR

Contribuintes receberão crédito bancário no próximo dia 31
Receita abre consulta a lote residual de restituições do IR
Economia

Oportunidade de trabalho

Confira!
Oportunidade de trabalho
Segurança

Banco Central comunica vazamento de dados de 160,1 mil chaves Pix

Foram vazados dados cadastrais da Acesso Pagamentos
Banco Central comunica vazamento de dados de 160,1 mil chaves Pix
Economia

Presidente negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis

Em 2021, a gasolina e o diesel subiram 47%, Etanol acumula alta de 62%
Presidente negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis
Ver mais de Economia