vacina
ECONOMIA

IPC-S sobe 0,69% na 3ª quadrissemana de abril ante 0,79% na anterior, diz FGV

23 Abr 2019 - 09h56Por Thaís Barcellos

O Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) desacelerou de 0,79% para 0,69% da segunda quadrissemana de abril para a terceira medição do mês, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira, dia 23.

Quatro das oito classes de despesa registraram decréscimo no período, com maior contribuição do grupo Transportes (1,30% para 1,04%). Nesta classe de despesa, a maior influência para o arrefecimento foi de etanol, cuja taxa passou de 3,05% para 1,30%.

Também registraram desaceleração da segunda para a terceira quadrissemana de abril os grupos Habitação (0,55% para 0,39%), com destaque para tarifa de eletricidade residencial (1,97% para 1,18%); Alimentação (1,04% para 0,89%), que teve maior contribuição de frutas (4,02% para 2,40%); e Comunicação (0,16% para 0,11%), com influência de pacotes de telefonia fixa e internet (0,76% para 0,43%).

Por outro lado, registraram acréscimo nas taxas de variação no período os segmentos Vestuário (0,95% para 1,20%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,61% para 0,72%), Educação, Leitura e Recreação (0,30% para 0,35%) e Despesas Diversas (0,44% para 0,48%). Nesses grupos, a maior contribuição para aceleração partiu dos itens acessórios do vestuário (0,85% para 1,49%), medicamentos em geral (0,90% para 1,36%), show musical (2,18% para 2,65%) e bilhete lotérico (16,13% para 23,66%), respectivamente.

Influências individuais

As maiores contribuições individuais para o arrefecimento do IPC-S na terceira quadrissemana de abril foram tarifa de táxi (que manteve a taxa de -2,02%), bombons e chocolates (-5,09% para -6,81%), maçã (-4,69% para -4,79%), alimentos preparados e congelados de carne bovina (-1,46% para -3,20%) e contrafilé (mesmo com a deflação menor, de -3,34% para -2,77%).

Já as principais influências individuais de alta foram tomate (29,96% para 31,55%), gasolina (mesmo com a desaceleração, de 3,24% para 2,78%), tarifa de ônibus urbano (apesar do arrefecimento nas taxas de variação, de 2,31% para 1,96%), plano e seguro de saúde (que manteve a taxa de 0,64%), além de energia elétrica.

Matérias Relacionadas

Economia

Responsável por 3,7% do PIB, setor de defesa é oportunidade para indústria de SC

Responsável por 3,7% do PIB, setor de defesa é oportunidade para indústria de SC
Geral

Senado aprova suspensão da dívida do RS com a União por três anos

Estado poderá direcionar R$ 23 bilhões para reconstrução
Senado aprova suspensão da dívida do RS com a União por três anos
Política

Governo indica Magda Chambriard para presidência da Petrobras

Ela substituirá Jean Paul Prates que pediu saída antecipada
Governo indica Magda Chambriard para presidência da Petrobras
Geral

Cresol promove Semana Nacional de Educação Financeira na região

Tema central será a Proteção Financeira, com foco em formas de o consumidor se prevenir contra golpes e fraudes financeiras.
Cresol promove Semana Nacional de Educação Financeira na região
Ver mais de Economia