ECONOMIA

IPC-Fipe sobe 0,55% na 3ª quadrissemana de março

26 Mar 2019 - 06h24Por Sergio Caldas

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a inflação na cidade de São Paulo, subiu 0,55% na terceira quadrissemana de março, desacelerando marginalmente frente à alta de 0,56% observada na segunda quadrissemana deste mês, segundo dados publicados hoje pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Na terceira leitura de março, três dos sete componentes do IPC-Fipe subiram de forma mais contida ou aprofundaram deflação. Foi o caso de Alimentação (de 2,02% na segunda quadrissemana para 1,88% na terceira quadrissemana), Despesas Pessoais (de -0,46% para -0,70%) e Vestuário (de 0,26% para 0,07%).

Por outro lado, avançaram com mais força os segmentos Habitação (de 0,21% para 0,22%), Transportes (de 0,20% para 0,53%), Saúde (de 0,26% para 0,49%) e Educação (de 0,03% para 0,09%).

Veja abaixo como ficaram os componentes do IPC-Fipe na terceira quadrissemana de março:

- Habitação: 0,22%

- Alimentação: 1,88%

- Transportes: 0,53%

- Despesas Pessoais: -0,70%

- Saúde: 0,49%

- Vestuário: 0,07%

- Educação: 0,09%

- Índice Geral: 0,55%

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Preço do pão francês deverá ser fixado próximo ao balcão de venda

Regras de comercialização do produto foram publicadas hoje no DOU
Preço do pão francês deverá ser fixado próximo ao balcão de venda
Economia

Renault, WEG e EDP fazem parceria para expandir estações de recarga para veículos elétricos

A WEG fornecerá as estações de recarga para veículos elétricos e a EDP será responsável pelas vistorias e pela instalação dos equipamentos
Renault, WEG e EDP fazem parceria para expandir estações de recarga para veículos elétricos
Economia

Presidente sanciona a Lei Orçamentária de 2021 com veto parcial

Texto também terá bloqueio administrativo
Presidente sanciona a Lei Orçamentária de 2021 com veto parcial
Política

Maioria do STF vota para manter decisão que considerou Moro parcial

Julgamento foi suspenso por pedido de vista do ministro Marco Aurélio
Maioria do STF vota para manter decisão que considerou Moro parcial
Ver mais de Economia