ECONOMIA

Indicador Antecedente da FGV e do Conference Board cai 1,3% em março

15 Abr 2019 - 13h05Por Caio Rinaldi

O Indicador Antecedente Composto da Economia (IACE) para o Brasil fechou o mês de março com queda de 1,3% em relação a fevereiro, a 116,4 pontos, informou o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) e o The Conference Board (TCB).

Das oito séries componentes do indicador, seis contribuíram para a queda. Destaque para o Índice de Expectativas do Consumidor e do setor de Serviços, que cederam, respectivamente, 9,7% e 4,2% .

Na mesma base de comparação, o Indicador Coincidente Composto da Economia (ICCE), que mensura as condições atuais da economia, apresentou ligeira alta de 0,2%, aos 103,2 pontos.

"O resultado do ICCE em março reforça a percepção de uma retomada lenta no nível de atividade", diz o economista do Ibre/FGV Paulo Picchetti. "A queda observada em todos os componentes de expectativas do IACE sinaliza que este ritmo de recuperação não deve acelerar nos próximos meses", avalia.

Matérias Relacionadas

Economia

Intenção de gasto dos consumidores catarinenses para o Dia dos Pais deste ano cresceu 18,6%

Parte desse aumento pode ser explicado pelos resultados positivos registrados na economia catarinense
Intenção de gasto dos consumidores catarinenses para o Dia dos Pais deste ano cresceu 18,6%
Economia

Com destaque para o setor elétrico e para a WEG, indústria catarinense cresce 6,4% no ano até maio

Aumento da produção industrial reflete alto nível de consumo das famílias, acesso ao crédito e exportações; crescimento no mês foi de 5,8%
Com destaque para o setor elétrico e para a WEG, indústria catarinense cresce 6,4% no ano até maio
Saúde

Começa a reforma do Pronto Atendimento Infantil do Hospital Jaraguá

Obra terá investimento de mais de R$ 14 milhões e ficará pronta em 18 meses
Começa a reforma do Pronto Atendimento Infantil do Hospital Jaraguá
Economia

Indústria de Santa Catarina tem potencial para liderar produção na área da saúde

Especialistas reunidos na FIESC dizem que estado tem inteligência, tecnologia e capital humano para se destacar no Complexo Econômico-Industrial da Saúde
Indústria de Santa Catarina tem potencial para liderar produção na área da saúde
Ver mais de Economia