ECONOMIA

Ibovespa ensaia recuperação mas fecha em baixa de 0,08%

25 Mar 2019 - 18h49Por Paula Dias

O Índice Bovespa ensaiou por diversas vezes nesta segunda-feira, 25, engrenar uma recuperação das perdas recentes, mas sucumbiu às ordens de venda e fechou perto da estabilidade, em baixa de 0,08%, aos 93.662,01 pontos. Depois de ter perdido 6,26% nos quatro pregões anteriores, o índice chegou a subir 0,69% nos melhores momentos de uma sessão morna e hesitante.

Desde cedo foram bem recebidas notícias de que o governo busca uma reaproximação com o Congresso, em especial com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Na semana passada, o deputado se viu envolvido em atritos públicos com o ministro da Justiça, Sérgio Moro, com o vereador Carlos Bolsonaro e, indiretamente, com o próprio presidente Jair Bolsonaro, que precisou se manifestar a respeito do assunto. A possibilidade de Maia abandonar a articulação política para obtenção de votos para a reforma da Previdência foi o ponto alto da crise, que contribuiu para o Ibovespa cair 3,10% na sexta-feira.

Outro ponto positivo no dia foram declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, que buscou minimizar a crise. Guedes disse que o que houve na última semana foi algo "perfeitamente natural" e que, mesmo que haja agora uma "queda de braço", a reforma será aprovada. O mercado reagiu positivamente à fala de Guedes, que coincidiu com a notícia da libertação do ex-presidente Michel Temer, de seu ex-ministro Moreira Franco e dos outros presos pela Lava Jato na semana passada. A reação do Ibovespa, no entanto, não durou mais que alguns minutos.

Para Pedro Galdi, analista da Mirae, o cenário internacional também contribuiu para a instabilidade do mercado brasileiro nesta segunda-feira. Apesar da queda firme do dólar, as bolsas de Nova York tiveram desempenho fraco e as preocupações com o ritmo da economia global persistiram. O fator político, no entanto, segue como principal foco, capaz de fazer o Ibovespa se descolar do exterior.

"A reforma da Previdência continua a ser a principal referência para a bolsa. Ninguém crê que ela não será aprovada, mas o grande temor é de que seja adiada. Quanto mais tempo demorar, mais o ano vai se perdendo para a economia", disse Pedro Galdi.

Na análise por ações, as quedas mais significativas ficaram com ações dos setores industrial, de consumo e imobiliário. Por outro lado, bancos e empresas do setor elétrico avançaram, recuperando parte das perdas da última semana. Cemig PN subiu 2,61% e Banco do Brasil ON avançou 0,71%.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Caixa sorteia R$ 30 milhões da Dupla-Sena da Páscoa neste sábado

Apostas podem ser feitas até as 19h
Caixa sorteia R$ 30 milhões da Dupla-Sena da Páscoa neste sábado
Economia

WEG anuncia novos investimentos em Minas Gerais

Com uma nova fábrica de Eletrocentros em Betim, companhia pretende fortalecer sua posição em um dos mais importantes mercados de equipamentos elétricos industriais e para geração de energia do país
WEG anuncia novos investimentos em Minas Gerais
Economia

Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias

Litro do diesel passará a custar R$ 2,76, e o da gasolina, R$ 2,64
Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias
Economia

Seifert Óptica e Joalheria completa 35 anos em Jaraguá do Sul

Para falar um pouco sobre a trajetória da empresa, Guido e Gabriel Seifert participaram ao vivo do Diário da Jaraguá desta sexta-feira (16)

Seifert Óptica e Joalheria completa 35 anos em Jaraguá do Sul
Ver mais de Economia