ECONOMIA

Ibovespa cai 3,57% com derrota do governo na Câmara

27 Mar 2019 - 19h22Por Paula Dias

A derrota imposta na terça-feira, à noite ao governo pela Câmara dos Deputados acendeu a luz amarela no mercado brasileiro de ações, o que levou o Índice Bovespa a uma queda de 3,57%, aos 91.903,40 pontos, na mínima do dia. Esta é a menor pontuação do índice desde 7 de janeiro. A aprovação do Orçamento Impositivo por expressiva maioria, contrariando o interesse da equipe econômica, foi interpretada como um sinal de que o governo corre o risco de ver a reforma da Previdência demorar mais que o esperado e, na pior das hipóteses, passar por forte desidratação.

Segundo profissionais das mesas de operações, as ordens de venda foram lideradas por grandes corretoras estrangeiras - as mesmas que haviam comandado a alta de 1,76% na véspera. Das 65 ações que compõem a carteira teórica do Ibovespa, apenas Suzano ON fechou em alta (+1,87%), impactada pela alta de 2,24% do dólar à vista. As quedas mais expressivas ficaram com papéis que refletem o risco político, como estatais e bancos. Petrobras ON e PN perderam 4,64% e 4,51%. Banco do Brasil ON cedeu 5,54% e Eletrobras ON e PNB terminaram o dia com desvalorização de 7,23% e 5,85%.

"A bolsa refletiu principalmente a fraqueza do governo na articulação política. A derrota na Câmara gera incerteza e a percepção de que a reforma da Previdência poderá ser mais fatiada que o esperado. O que antes era lua-de-mel agora é precificação de fraqueza", disse Guilherme Macêdo, sócio da Vokin Investimentos. Segundo ele, ganha força no mercado a possibilidade de o Congresso colocar em votação a proposta de reforma da Previdência do ex-presidente Michel Temer, como já foi sinalizado.

Para Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset, a reação do mercado precifica mais a questão do tempo de tramitação da reforma do que o seu conteúdo. Ele acredita que a economia de R$ 1 trilhão em dez anos exigida por Paulo Guedes ainda é factível. No entanto, será necessário para isso que haja mudança na relação do governo com o Congresso e maior integração dentro do próprio governo.

"O episódio deixou nítida a necessidade de o governo mudar sua forma de fazer as coisas. Por enquanto o risco ainda diz respeito ao 'quando' da reforma. Se a crise não for contornada, o mercado passará a precificar o 'se'", afirma o economista. Sobre a participação de Paulo Guedes na CAE, Vieira considerou essencialmente positiva, mas incapaz de promover uma reversão do quadro. "Guedes falou coisas importantes, mas nada de substancial", afirmou.

O cenário internacional esteve em segundo plano ao longo do dia, mas deu sua contribuição negativa, ressalvaram os analistas. O temor de desaceleração global manteve as bolsas de Nova York no negativo e o dólar se fortaleceu ante diversas moedas pelo mundo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Bolsonaro zera PIS e Cofins do diesel e do gás de cozinha

Medidas foram publicadas em edição extra do Diário Oficial
Bolsonaro zera PIS e Cofins do diesel e do gás de cozinha
Economia

Dólar fecha praticamente estável a R$ 5,60

Bolsa encerra segunda-feira com pequena alta
Economia

Carnês do IPTU de Jaraguá podem ser impressos no site da prefeitura

Esta opção também está disponível no App Jaraguá na Mão
Carnês do IPTU de Jaraguá podem ser impressos no site da prefeitura
Economia

Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás

Reajuste será nas refinarias e entra em vigor amanhã
Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás
Ver mais de Economia