Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

IBC-Br fraco puxa taxas para perto dos ajustes após queda com dólar

18 Mar 2019 - 11h32Por Luciana Antonello Xavier

As taxas futuras de juros operam próximas dos ajustes anteriores, após terem iniciado a sessão em baixa, sintonizadas com a queda do dólar ante o real. Na abertura desta segunda-feira, 18, o investidor olhou o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) de janeiro pior que o estimado, num momento em que o mercado volta a cogitar corte da Selic este ano.

Após avançar 0,21% em dezembro (dado revisado), a economia brasileira teve baixa em janeiro de 2019. O IBC-Br recuou 0,41% em janeiro ante dezembro, na série com ajuste sazonal. O resultado veio pior que a mediana das estimativas colhidas pelo Broadcast Projeções, mas dentro do intervalo previsto de -1,00% e +0,70%.

Além disso, o dólar é negociado mais fraco ante a maioria das moedas emergentes e ligadas a commodities, com os mercados à espera de um Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) mais dovish (mais leve), enquanto no Brasil as apostas são de manutenção da Selic em 6,50% nesta primeira reunião com o novo presidente do BC, Roberto Campos Neto. Na sexta-feira passada, os juros tiveram uma sessão mais volátil e fecharam perto dos ajustes.

As atenções estão ainda na visita do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes, aos Estados Unidos, e no envio do projeto da reforma da Previdência ao Congresso, esperado para até quarta-feira. Bolsonaro se encontra na terça, na Casa Branca, com o presidente Donald Trump. Nesta segunda, o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem reuniões, em Washington, com o secretário do Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross (12h15), e com o representante comercial do país, Robert Lightizer (16h30).

Sobre a aposentadoria dos militares, o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) revelou que o texto apresentado ao ministério da Economia inclui uma reestruturação da carreira militar que implicaria em custo extra em torno de R$ 10 bilhões nos primeiros dez anos.

No boletim Focus desta segunda, os economistas do mercado financeiro mantiveram suas projeções para a Selic no fim de 2019 em 6,50% ao ano, mas revisaram a previsão para 2020 de 8,00% para 7,75%. A mediana para o IPCA este ano passou de alta de 3,87% para elevação de 3,89%. A projeção para o índice em 2020 seguiu em 4,00%. Quatro semanas atrás, estava no mesmo nível. Já a expectativa de alta para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2019 desacelerou de 2,28% para 2,01%. Para 2020, o mercado financeiro manteve a previsão de alta do PIB em 2,80%. Quatro semanas atrás, estava em 2,58%.

Às 10h08, o DI para janeiro de 2021 estava em 6,99%, de 6,97% no ajuste de sexta-feira. O DI para janeiro de 2023 indicava 8,7%, de 8,06% no ajuste de sexta-feira. No câmbio, o dólar à vista estava em leve baixa, aos R$ 3,8191 (-0,04%).

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Em nova coleção, Malwee aposta em versatilidade e moda atemporal

Marca apresenta peças atemporais como moletons, malhas texturizadas, calças jogger, jeans e tricôs clássicos para serem usados por vários invernos
Em nova coleção, Malwee aposta em versatilidade e moda atemporal
Geral

Guaramirim e Schroeder firmam parceria para manutenção da rua Rio de Janeiro

A partir de agora, os municípios irão dividir custos para manutenção e disponibilização de material/equipamento para a manutenção da via. 
Guaramirim e Schroeder firmam parceria para manutenção da rua Rio de Janeiro
Economia

Corupá está com vagas de trabalho abertas

Confira as oportunidades de emprego nas empresas do município
Corupá está com vagas de trabalho abertas
Economia

Entenda as mudanças da PEC Emergencial

Proposta reinstitui auxílio em troca de medidas de ajuste fiscal
Entenda as mudanças da PEC Emergencial
Ver mais de Economia