Economia

Hotelaria projeta investimentos e aumento de faturamento em 2019

São Paulo lidera em expectativa de faturamento e PE em projeção de investimentos

28 Fev 2019 - 18h00Por Ministério do Turismo

Se depender do segmento de hospedagem, o primeiro semestre do ano será positivo para o turismo. Pesquisa realizada pelo Ministério do Turismo com 682 empreendimentos de todo o país revela que 67,6% dos empresários ouvidos pretendem realizar investimentos nos próximos meses e 47,8% vislumbram aumento de faturamento, configurando os maiores percentuais de otimismo verificados desde o início da pesquisa, em janeiro de 2018.

As maiores expectativas de aumento de faturamento com hospedagem foram verificadas entre os empresários de São Paulo (59,8%), estado com a maior oferta de leitos do país, Minas Gerais (59,3%) e Pernambuco (56,3%). Na projeção de realização de investimentos nos próprios negócios no período os percentuais mais altos foram verificados em Pernambuco (25%), Rio Grande do Norte (23,1%) e Minas Gerais (22%).

Entre as regiões, Norte - com 21,2% - e Centro-Oeste - com 19,9% - lideram com os maiores percentuais de hoteleiros dispostos a investir em seus estabelecimentos até julho.  As demais regiões apresentam índices menores: Sudeste (17,6%), Nordeste (17,3%) e Sul (11,9%).

Quando o assunto é perspectiva de aumento de faturamento, larga na frente a região Sudeste, que abriga o maior parque hoteleiro do país. Mais da metade dos empresários da região - 54,9% -, entrevistados pelo MTur, esperam faturar mais até julho. Em seguida, com maiores percentuais de otimismo aparecem no Centro-Oeste, com 46%, e no Nordeste, com 43,4%.

RESULTADO GERAL - No Brasil, a elevação do grau de otimismo entre os hoteleiros ocorreu em relação a seis dos sete itens pesquisados pela equipe técnica do Ministério do Turismo. Depois do faturamento e da pretensão de investimentos, o maior percentual de expectativas positivas no quarto trimestre (44,8%) ocorreu no quesito demanda por serviços ofertados. Em seguida, com 43,4%, vem o crescimento da demanda pelo destino onde o empreendimento está localizado.

“O segmento de hospedagem é de extrema relevância para o turismo e, por isso, funciona como um termômetro para medir o desempenho do setor como um todo. Se os hoteleiros estão otimistas é um bom sinal para a economia do turismo”, comenta o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio.

A curva ascendente na percepção do empresariado é verificada também na expectativa do aumento de número de turistas no destino, 38,2%, e na rentabilidade do setor de turismo como um todo, com 36% de avaliação positiva.  Somente no item número de empregados houve retração em relação ao trimestre anterior, de 22,1% para 21,5%. Entretanto, no primeiro e no segundo trimestre de 2018, apenas 17% dos empresários tinham perspectiva de aumento ou manutenção dos postos de trabalho.

A sondagem empresarial é realizada trimestralmente por equipes do Ministério do Turismo em todo o país. Neste caso, os resultados refletem números do quarto trimestre de 2018 e perspectivas para o período de janeiro a julho de 2019.

 


Quer ser o primeiro a saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região? CLIQUE AQUI e receba direto no seu WhatsApp!

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Decreto estadual mantém medidas contra a Covid-19 por mais duas semanas

Todas as atividades deverão observar os protocolos e regramentos sanitários específicos estabelecidos pela Secretaria de Estado da Saúde
 Decreto estadual mantém medidas contra a Covid-19 por mais duas semanas
Geral

Jaraguá do Sul é destaque no Dia Mundial da Reciclagem

Dados de uma pesquisa referente ao ano de 2020, revelaram que 91% da população entrevistada em nosso município pratica a reciclagem em suas residências.
Jaraguá do Sul é destaque no Dia Mundial da Reciclagem
Economia

Senado aprova suspensão no aumento de preço de medicamentos em 2021

Texto determina a reversão de reajustes já aplicados neste ano
Senado aprova suspensão no aumento de preço de medicamentos em 2021
Economia

Programa de redução de salário preserva 1,5 milhão de empregos

Empresas de serviço e de comércio têm usado mais programa do governo
Programa de redução de salário preserva 1,5 milhão de empregos
Ver mais de Economia