ECONOMIA

Governo espera que reforma seja aprovada antes do recesso, diz Marinho

20 Fev 2019 - 14h58Por Anne Warth e Renan Truffi

O secretário especial da Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, disse nesta quarta-feira, 20, que a expectativa do governo é que a proposta de reforma da Previdência seja aprovada antes do recesso parlamentar, em julho. "Até o recesso, acredito que o projeto será aprovado", comentou, ao deixar a reunião com governadores para apresentação da reforma da Previdência. "Temos certeza do espírito público dos congressistas", acrescentou.

Marinho afirmou que o governo fará uma reunião extraordinária com o Fórum de Governadores para discutir a reforma da Previdência em março e afirmou que as críticas deles ao texto são normais e esperadas. Ele reconheceu ainda que a proposta poderá ser modificada, desde que seus princípios sejam mantidos. "Cada governador vive uma realidade diferente e isso precisa ser respeitado", disse. "Respeitamos opiniões contrárias."

Marinho destacou que o governo tem consciência de que o projeto é "passível de ser aperfeiçoado". O secretário afirmou, porém, que os princípios da reforma não devem ser alterados. Ele reconheceu também que cada alteração causa impactos e muda cálculo atuarial do ajuste. "É desejável (um aperfeiçoamento), desde que os princípios sejam preservados", comentou.

Entre esses princípios, disse Marinho, está o fato de que os mais ricos devem pagar mais e se aposentar na mesma idade dos mais pobres. "O projeto deve ter justiça social. Queremos uma Previdência hígida e intacta, que cumpra seus objetivos", disse. "Respeitamos a autonomia do Congresso. É o local de aperfeiçoamento do projeto."

Ele defendeu o fato de que o projeto remete alguns temas para serem discutidos em projeto de lei complementar. Na avaliação dele, é preciso retirar alguns temas da Constituição para facilitar o trabalho atuarial.

Marinho disse ainda que o regime de capitalização da Previdência será discutido em um projeto de lei complementar. Outro projeto de lei complementar que será enviado ao Congresso nos próximos 30 dias deve fortalecer a cobrança de dívidas previdenciária de grandes contribuintes.

Ele afirmou que o governo respeita opiniões contrárias ao projeto. Alguns governadores, como Flávio Dino, do Maranhão, consideraram "escandaloso" o fato de que o governo quer desvincular o salário mínimo dos benefícios de prestação continuada, o que faria com que um idoso de 60 anos recebesse apenas R$ 400,00. Ele disse que esse e outros temas polêmicos serão discutidos no Congresso.

Estados

Na entrevista coletiva para detalhar a reforma da Previdência, o secretário de Previdência do Ministério da Economia, Leonardo Rolim, afirmou que a proposta dá instrumentos legais para ajudar os Estados e municípios a reequilibrarem a suas contas.

Pela proposta, encaminhada nesta quarta ao Congresso, os Estados e municípios que registrarem déficit terão que elevar a alíquota de contribuição à previdência dos seus servidores para 14%. Eles terão um prazo de 180 dias se quiserem fazer uma mudança.

"Se não baixar (nesse prazo), a alíquota de 14% fica definitiva", disse ele.

Para alíquotas extraordinárias, não haverá teto. Essa indicação mostra que os Estados poderão cobrar o valor que considerarem necessário para reequilibrarem as suas contas.

A proposta também dá um prazo de dois anos para que Estados e municípios criem a previdência complementar para os seus servidores. Também haverá limitação de incorporações de gratificações aos benefícios de aposentadoria e pensões.

Pelo texto, todas as novas regras para a previdência dos servidores para o RPPS valem para Estados e municípios. A alteração de alíquotas precisa ser aprovada pelas assembleias legislativas estaduais e câmaras municipais. "São instrumentos para os Estados e municípios equacionarem as suas previdências", disse Rolim.

A proposta estabelece que policiais e bombeiros militares terão as mesmas regras das Forças Armadas, com antecipou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado. Os militares na reserva também poderão passar a trabalhar em atividades civis recebendo o abono que existe hoje e é similar ao para os servidores civis. Segundo Rolim, alguns Estados já permitem que os militares trabalhem em ações civis, mas não havia a previsão constitucional.

Outra medida incluída na reforma permite a chamada compensação previdenciária, que é contagem de tempo no INSS e no RPPS dos militares, policiais e bombeiros militares, como antecipou o Broadcast. No modelo atual, o tempo de contribuição é aproveitado para a aposentadoria, mas o regime dos militares não repassa o dinheiro que foi pago às Forças Armadas. A reforma da Previdência vai obrigar essa compensação, levando receitas do regime dos militares para o INSS.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Lojas de Jaraguá ficam abertas até 17h neste sábado

Segundo Talita Beber, presidente da CDL Jaraguá do Sul, o comércio local está preparado com promoções, ações de vendas casadas e, com foco na segurança por causa da pandemia
Lojas de Jaraguá ficam abertas até 17h neste sábado
Economia

Governo do Estado institui o Auxílio Catarina

Benefício emergencial será destinado a mais de 60 mil famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica no estado
Governo do Estado institui o Auxílio Catarina
Economia

Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia

O investimento do Executivo será superior a R$ 37 milhões, com recursos já garantidos no orçamento
Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia
Economia

Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp

Instituição financeira cooperativa oferece nova opção de transferência para os associados por meio de parceria com o Facebook
Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp
Ver mais de Economia