ECONOMIA

Governo cobra da Ford solução para fábrica no ABC

08 Mar 2019 - 09h02Por Cleide Silva

Governos federal, estadual e municipal cobraram nesta quinta-feira, 7, da direção da Ford no Brasil um plano detalhado sobre o fechamento da fábrica em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, anunciado há duas semanas. O objetivo é ter argumentos para tentar reverter a decisão. Só o município que abriga a montadora há 51 anos calcula que deixará de movimentar R$ 1,4 bilhão ao ano com o fim da produção e demissão de trabalhadores.

A cobrança mais taxativa, segundo participantes do encontro, veio do secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos Costa. Ele se reuniu nesta quinta em São Paulo com o presidente e o vice-presidente da Ford América do Sul, Lyle Watters e Rogelio Goldfarb, respectivamente. Também participaram a secretária de Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo, Patricia Ellen da Silva, e o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando.

Morando disse esperar que a pressão por parte do governo federal leve a Ford a dar detalhes de seu projeto. "Até agora só sabemos que a empresa quer fechar as portas até o fim do ano, mas não há detalhes, por exemplo, de quanto será produzido até lá ou quantos funcionários serão mantidos na área administrativa, que permanecerá na cidade", afirmou. "Só sabendo o plano poderemos saber o que fazer para tentar ver se é possível reverter a decisão."

Nas contas do prefeito, com base na renda dos cerca de 3 mil trabalhadores diretos e 1,5 mil terceirizados da Ford, deixarão de ser injetados anualmente na cidade cerca de R$ 1,4 bilhão. "Haverá uma desaceleração enorme da economia local."
Costa já disse que o governo federal não vai intervir na decisão da Ford, mas ajudará na requalificação dos trabalhadores. Também negou oferta de qualquer incentivo fiscal. Do prefeito, contudo, ouviu críticas à manutenção de incentivos à fábrica da Bahia, onde a produção de carros será concentrada.

A Ford e a Fiat foram as únicas montadoras beneficiadas pela prorrogação, até 2025, de incentivos para empresas do setor instaladas no Nordeste, após manobra de políticos da região que conseguiram incluir o tema no programa Rota 2030, lançado no fim do governo Temer.
Segundo Morando, os executivos da Ford insistiram na justificativa de que a operação local é deficitária, mas ficaram de marcar nova reunião. A Ford não comentou o assunto.

Protesto

Em paralelo à reunião em São Paulo, sindicalistas se encontraram nesta quinta-feira à tarde com dirigentes da matriz da Ford nos Estados Unidos na tentativa de reverter o fechamento da fábrica brasileira. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, até o início da noite a reunião não havia terminado.

Em São Bernardo, funcionários e familiares realizaram passeata na manhã de quinta da sede do sindicato até a praça da igreja matriz, palco de diversas manifestações na região.

Por questões de segurança, segundo o sindicato, a produção da fábrica está parada o anúncio do fechamento, que deve ocorrer até o fim do ano. A unidade produz caminhões - segmento em que a marca atua só no Brasil e na Turquia (em parceria com empresa local), e o modelo Fiesta, que sairá de linha. A Ford diz que a fábrica opera com 20% de sua capacidade. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Carnês do IPTU de Jaraguá podem ser impressos no site da prefeitura

Esta opção também está disponível no App Jaraguá na Mão
Carnês do IPTU de Jaraguá podem ser impressos no site da prefeitura
Economia

Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás

Reajuste será nas refinarias e entra em vigor amanhã
Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás
Economia

Prazo para entregar declaração do Imposto de Renda começa hoje

Receita espera receber 32,6 mi de declarações até 30 de abril
Prazo para entregar declaração do Imposto de Renda começa hoje

Mega-Sena sai para um apostador que ganha 49 milhões

Próximo sorteio será quarta-feira
Ver mais de Economia