ECONOMIA

Governo central tem superávit primário de R$ 30,238 bilhões em janeiro

27 Fev 2019 - 16h23Por Idiana Tomazelli e Eduardo Rodrigues

O caixa do governo central registrou um superávit primário de R$ 30,238 bilhões em janeiro, o segundo melhor desempenho para o mês na série histórica, que tem início em 1997. O resultado, que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, sucede o déficit de R$ 31,784 bilhões de dezembro. O desempenho só foi pior que o de janeiro de 2018, quando o resultado havia sido positivo em R$ 30,842 bilhões.

O resultado de janeiro ficou acima das expectativas do mercado financeiro, cuja mediana apontava um resultado positivo em R$ 27,900 bilhões, de acordo com levantamento do Projeções Broadcast junto a 23 instituições financeiras. O dado do mês passado ficou dentro do intervalo das estimativas, que foram de superávit de R$ 14,999 bilhões a R$ 35,000 bilhões.

Em 12 meses até janeiro, o governo central apresenta um déficit de R$ 123,2 bilhões - equivalente a 1,75% do PIB. Para este ano, a meta fiscal admite um déficit de até R$ 139 bilhões nas contas do governo central.

As contas do Tesouro Nacional - incluindo o Banco Central - registraram um superávit primário de R$ 44,031 bilhões em janeiro. Já o resultado do INSS foi um déficit de R$ 13,792 bilhões no mês passado.

As contas apenas do Banco Central tiveram superávit de R$ 54 milhões em janeiro.

O Tesouro Nacional informou que a projeção do governo para o déficit dos regimes geral e próprio da Previdência em 2019 é de R$ 309,4 bilhões. De acordo com o órgão, o rombo do INSS deve chegar a R$ 211,1 bilhões neste ano. Já o déficit do regime próprio dos servidores da União e somado ao regime dos militares deve chegar a R$ 98,3 bilhões em 2019. Em 12 meses até janeiro, o déficit dos regimes geral e próprio da Previdência está em R$ 288,8 bilhões.

Receitas e despesas

O resultado de janeiro representa queda real de 0,7% nas receitas em relação a igual mês do ano passado. Já as despesas tiveram queda real de 2,3%.

As despesas sujeitas ao teto de gastos aprovado pela Emenda Constitucional 95 subiram para 3,0% em janeiro em comparação com o mesmo mês de 2018, segundo o Tesouro Nacional. Pela regra, o limite de crescimento das despesas do governo é dado pela variação acumulada da inflação em 12 meses até janeiro do ano passado. Porém, como o governo não ocupou todo o limite previsto em 2018, na prática há uma margem para expansão de até 9,3%.

Apesar do enquadramento prévio das despesas do governo federal ao teto, alguns poderes e órgãos estão fora dos limites individualizados - todos devem respeitar o limite de gastos. É o caso, por exemplo, da Justiça Militar da União, da Justiça do Trabalho, da Justiça do Distrito Federal e Territórios, e do Ministério Público da União.

Regra de ouro

O Tesouro Nacional manteve a projeção de insuficiência para o cumprimento da regra de ouro em 2019 em R$ 93,9 bilhões. De acordo com o órgão, entre as medidas para o equacionamento desse rombo estão a entrada de recursos de concessões ainda não consideradas nas projeções fiscais, o cancelamento de restos a pagar e a antecipação da devolução de recursos pelo BNDES ao Tesouro.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Entidades empresariais manifestam apoio ao decreto do Governo do Estado

Saúde

Jaraguá terá novas medidas contra covid-19 a partir de 1º de março

Medida terá validade por 15 dias
Jaraguá terá novas medidas contra covid-19 a partir de 1º de março
Saúde

Com novo decreto, Prefeitura de Jaraguá detalha restrições

O Governo do Estado publicou o Decreto 1.172 nesta sexta-feira (26) suspendendo o funcionamento de serviços não essenciais das 23h desta sexta-feira (26) até às 6h de segunda-feira (1º)
Com novo decreto, Prefeitura de Jaraguá detalha restrições
Saúde

Governo decreta fechamento de atividades não essenciais no fim de semana em SC

A decisão é mais uma medida do Executivo estadual para reforçar o enfrentamento ao coronavírus em um momento de agravamento da situação sanitária em Santa Catarina
Governo decreta fechamento de atividades não essenciais no fim de semana em SC
Ver mais de Economia