Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

Gilmar diz que dará mais 12 meses para Congresso votar sobre Lei Kandir

20 Fev 2019 - 16h41Por Amanda Pupo

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse nesta quarta-feira, 20, que irá conceder mais 12 meses para que o Congresso Nacional aprove a metodologia de cálculo para definir os repasses do governo federal aos Estados relativos a Lei Kandir. A Advocacia-Geral da União (AGU) havia pedido, em outubro de 2017, mais 24 meses. A Lei Kandir prevê que a União compense os Estados pelo ICMS que deixa de ser arrecadado com a desoneração das exportações.

"Eles pediram 24 meses e vou deferir 12 meses a partir de agora, para que se tabulem novas negociações", disse Gilmar, sem especificar a data em que tomará a decisão. A afirmação do ministro foi feita após encontro, na terça-feira, com doze governadores no STF para falar sobre a Lei Kandir.

Os governadores vieram ao Supremo porque partiu da Corte, em 2016, a decisão que deu o prazo de um ano para que o Legislativo aprovasse a metodologia do cálculo a ser usado, como prevê a Constituição. Gilmar Mendes é relator da ação. O prazo se encerrou em agosto do ano passado sem que houvesse acordo em torno do projeto de lei, uma vez que a União queria pagar R$ 3,9 bilhões, mas os Estados pediram dez vezes esse valor: R$ 39 bilhões.

Gilmar explicou que não analisou o pedido da AGU antes para ver se o assunto poderia ser resolvido diretamente pelo Congresso. "Essa questão estava exposta ao Congresso, estavam tentando votar", citou o ministro.

Passivo

Após a audiência realizada na terça, o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), afirmou que a União deve um passivo de R$ 600 bilhões, desde 1996, quando foi aprovada a Lei Kandir.

Ainda de acordo com Barbalho, mais de R$ 100 bilhões seriam de direito do Estado de São Paulo, e R$ 39 bilhões relativos ao Pará, que é o autor da ação no STF.

"Essa receita é absolutamente essencial para os Estados. O lado da desoneração previsto pela Lei Kandir foi feito, o lado da compensação não foi cumprido. Precisamos discutir o que fazer com o passivo, discutir o que faremos daqui para frente, discutir, em último caso, se a Lei Kandir vai se sustentar. O que não pode acontecer é que apenas a parte da desoneração seja feita", criticou Barbalho.

Segundo ele, os Estados estão dispostos a dialogar para buscar uma solução, e há "sensibilidade" para compreender que a União não teria capacidade de compensar os R$ 600 bilhões "da noite para o dia".

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

IPTU 2021 vence dia 10 de março em Jaraguá

Quem optar pelo pagamento a vista terá desconto de 10%
Política

Licitação para reforma da escola Albano Kanzler deve ser lançada em 30 dias

Obra é aguardada há 20 anos pela comunidade
Licitação para reforma da escola Albano Kanzler deve ser lançada em 30 dias
Economia

Transporte rodoviário tem novo piso mínimo de frete

Tabela foi publicada hoje no Diário Oficial da União
Transporte rodoviário tem novo piso mínimo de frete
Geral

Presidente e diretor de Inovação da CDL falam sobre aplicativo da entidade

Aplicativo CDL Box vai trazer benefícios para lojistas e consumidores
Presidente e diretor de Inovação da CDL falam sobre aplicativo da entidade
Ver mais de Economia