ECONOMIA

Gasto público no Brasil reduz muito pouco a desigualdade, diz Mansueto Almeida

07 Mai 2019 - 15h24Por Lorenna Rodrigues

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse que o gasto público no Brasil reduz muito pouco a desigualdade. O comentário foi feito no lançamento do estudo "Melhores gastos para melhores vidas", do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que apontou ineficiências nas despesas públicas brasileiras. Um dos problemas identificados foi o fato de as transferências de renda serem "pró-rico", com aposentadorias maiores para quem ganha mais e subsídios para empresas, entre outros.

Mansueto Almeida lembrou que 90% do crescimento das despesas primárias no Brasil se deu por conta de programas de transferência de renda, principalmente a Previdência, mas que isso não leva à redução das diferenças sociais. "O governo gasta muito, mas não consegue reduzir a desigualdade. Previdência é muito importante, mas não é melhor forma de programa social", afirmou.

No evento, ele disse concordar com o diagnóstico apresentado pelo BID, mas que há desafios adicionais para o Brasil, como o engessamento do Orçamento, que tem 94% de despesas obrigatórias. Ele ressaltou que o crescimento do gasto no Brasil não decorre do inchaço da máquina pública, mas, principalmente, do crescimento de despesas como a Previdência.

Com isso, ressaltou, sobra pouco espaço para o investimento público, que, por ser despesa discricionária, é o primeiro a ser cortado a cada contingenciamento ou ajuste. O secretário lembrou que o investimento público caiu de 1,3% em 2014 para 0,7% no ano passado e deve fechar este ano em apenas 0,5%. "Sem controle de crescimento da despesa, o investimento público será próximo de zero em dois anos", completou.

Previdência

O secretário defendeu mais uma vez a importância da aprovação da reforma da Previdência e frisou que o Congresso Nacional tem que fazer um debate com muita responsabilidade para garantir uma reforma significativa. "Se falharmos com reforma da Previdência, não teremos ajuste fiscal", afirmou.

Para Almeida, a Previdência é a primeira das reformas necessárias no país, que precisa ainda de outras mudanças. Ele citou a necessidade de uma reforma administrativa para tratar questões como os salários iniciais do funcionalismo federal, que considera serem muito altos.

Ele também disse que o Tesouro trabalha para aumentar a transparência das informações fiscais. "Falhamos como sociedade em deixar situação fiscal mais transparente", completou.

Matérias Relacionadas

Economia

Intenção de gasto dos consumidores catarinenses para o Dia dos Pais deste ano cresceu 18,6%

Parte desse aumento pode ser explicado pelos resultados positivos registrados na economia catarinense
Intenção de gasto dos consumidores catarinenses para o Dia dos Pais deste ano cresceu 18,6%
Economia

Com destaque para o setor elétrico e para a WEG, indústria catarinense cresce 6,4% no ano até maio

Aumento da produção industrial reflete alto nível de consumo das famílias, acesso ao crédito e exportações; crescimento no mês foi de 5,8%
Com destaque para o setor elétrico e para a WEG, indústria catarinense cresce 6,4% no ano até maio
Saúde

Começa a reforma do Pronto Atendimento Infantil do Hospital Jaraguá

Obra terá investimento de mais de R$ 14 milhões e ficará pronta em 18 meses
Começa a reforma do Pronto Atendimento Infantil do Hospital Jaraguá
Economia

Indústria de Santa Catarina tem potencial para liderar produção na área da saúde

Especialistas reunidos na FIESC dizem que estado tem inteligência, tecnologia e capital humano para se destacar no Complexo Econômico-Industrial da Saúde
Indústria de Santa Catarina tem potencial para liderar produção na área da saúde
Ver mais de Economia