ECONOMIA

Fundo administrado pelo BTG pede despejo da Gafisa

19 Dez 2018 - 07h10Por Circe Bonatelli

A Gafisa, uma das incorporadoras mais tradicionais do mercado imobiliário, recebeu um pedido de despejo da sua sede por estar inadimplente com o aluguel e o condomínio desde outubro. Naquele mês, foi empossada a nova direção da companhia, indicada pela gestora de recursos GWI, do investidor e maior acionista, Mu Hak You.

Desde então, o pagamento de vários fornecedores foi suspenso sob a justificativa de revisão dos contratos. Pessoas a par do assunto relatam, contudo, que há falta de conhecimento e traquejo da nova diretoria para gestão de uma incorporadora. Nenhum deles esteve à frente de uma incorporadora antes.

O calote da Gafisa, citado no processo que o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, teve acesso, considera dois meses de atraso, com um saldo aberto de R$ 774,9 mil, dos quais R$ 729,6 mil são de aluguel e R$ 45,2 mil de condomínio. Já o valor total da ação movida contra a empresa é de R$ 3,9 milhões.

Além do despejo, está incluído o pedido de rescisão do contrato de locação, indenização pela desmobilização e recuperação do espaço, fora os honorários advocatícios. O processo foi distribuído no dia 12 de dezembro, na 4.ª Vara Cível, de Pinheiros.

O autor da ação foi o fundo de investimento imobiliário (FII) Corporate Office Fund, que é dono do edifício Eldorado Business Tower, localizado entre o shopping center Eldorado e a Marginal Pinheiros, na zona sul da capital paulista. O fundo é administrado pelo banco BTG Pactual. A Gafisa aluga o andar 18.º e metade do andar 19.º, mas este último já está praticamente vazio após a onda de demissões sob a gestão da GWI, que reduziu o número de funcionários de 740 para 370.

De acordo com o processo, o contrato de locação vinha sendo cumprido regularmente até outubro. No dia 11 daquele mês, a Gafisa pediu o encerramento do contrato e foi informada sobre a necessidade de arcar com a rescisão antecipada da locação. Até então, a Gafisa planejava levar sua sede para um prédio comercial próprio, em São Caetano (Grande ABC), sob o argumento de economia de custos, mas acabou voltando atrás. Sem definição, parou de pagar o aluguel e não respondeu mais aos contatos do fundo administrado pelo BTG, dizem fontes.

Procurada, a Gafisa disse que não foi citada e reiterou que está renegociando os contratos. O BTG não quis comentar o assunto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Matérias Relacionadas

Economia

Projeção de crescimento de Guaramirim atrai investimentos na construção civil

Com este desenvolvimento natural, impulsionado pela geração de vagas de emprego e importantes obras estruturais, o município também ganha um novo conceito de empreendimento, representado pelo Residencial Torres de Turim
Projeção de crescimento de Guaramirim atrai investimentos na construção civil
Economia

Sorteio da Quina de São João será neste sábado

Prêmio de R$ 170 milhões é o maior do concurso
Sorteio da Quina de São João será neste sábado
Economia

Banco Central nega possibilidade de golpe com Pix agendado

Segundo órgão, mensagem que circula na internet não passa de rumor
Banco Central nega possibilidade de golpe com Pix agendado
Economia

Governo deve anunciar prorrogação do auxílio nesta semana, diz Guedes

Ministro se reuniu com empresário na Fiesp, em São Paulo
Governo deve anunciar prorrogação do auxílio nesta semana, diz Guedes
Ver mais de Economia