Economia

FIESC propõe protocolo de segurança para atividades econômicas

Projeto prevê enfrentamento do vírus em várias frentes, por meio do uso massivo de tecnologia da informação e da comunicação, EPIs, execução em larga escala de testes e estruturação logística, em linha com as práticas mais bem-sucedidas internacionalmente

02 Abr 2020 - 07h30Por Da Redação
FIESC propõe protocolo de segurança para atividades econômicas - Crédito: Filipe Scotti Crédito: Filipe Scotti

A Federação das Indústrias (FIESC) propôs ao governo de Santa Catarina um protocolo de segurança para que as atividades econômicas possam ser realizadas preservando os trabalhadores e sem prejudicar o combate ao coronavírus. As medidas foram detalhadas ao governador, Carlos Moisés da Silva, e ao secretário da Fazenda, Paulo Eli, durante videoconferência, nesta quarta-feira (1°). “A proposta considera as cadeias produtivas, ou seja, agricultura, indústria, serviços e transporte e todos os portes de empresa”, explica o presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar. Ele destaca que o olhar por cadeia produtiva é importante e exemplifica com o setor da construção que, para operar, precisa que a indústria produza os materiais, que o comércio venda e que a logística de transporte seja assegurada.

Durante a reunião, o diretor de inovação da FIESC, José Eduardo Fiates, detalhou o plano da indústria e destacou ações de empresas que já estão produzindo equipamentos de proteção, como máscaras, jalecos, macacões, álcool gel, etc., e as estratégias com o uso de tecnologia. Também lembrou que a FIESC, em parceria com outras entidades, lidera uma frente de trabalho para aquisição e conserto de respiradores, equipamentos de proteção (EPIs) e medicamentos, por exemplo.

Para evitar a disseminação do vírus, a proposta é realizar testes dirigidos e fazer o monitoramento e acompanhamento dos casos, numa iniciativa que tem apoio da Associação Catarinense de Medicina (ACM), empresas de tecnologia, Fundação Certi e Neoprospecta. “Somando tecnologia e testes, certamente, conseguiremos resultados excelentes. A lógica de testes que está sendo proposta é usar PCR, que é um teste mais preciso, só que fazendo levantamento de amostras com grupos”, explicou Fiates, lembrando que, com isso, é possível ampliar muito a escala de geração de testes e, ao mesmo tempo, usando a tecnologia para monitorar rapidamente vizinhos, parceiros e colegas de trabalho.

Ele informou que a meta é chegar a execução de 200 mil testes por mês a partir de maio, a um valor da ordem de R$ 15 a 20 por teste, por pessoa. A tecnologia também vai permitir analisar as zonas de calor nas ruas, cidades e no estado para poder chegar no monitoramento e rastreamento, com foco em gestão. “Com isso, conseguiremos fazer a contenção do vírus, que está relacionada ao planejamento estratégico do estado”, disse, lembrando que para isso há uma rede de parceiros que vai atuar junto com SESI e SENAI.

Matérias Relacionadas

Economia

Bolsonaro confirma mais duas parcelas do auxílio emergencial

Valor será menor do que os atuais R$ 600
Bolsonaro confirma mais duas parcelas do auxílio emergencial
Economia

Caixa libera saque da 2ª parcela de auxílio para nascidos em maio

Mais de 50 bancos participam da operação de pagamento
Caixa libera saque da 2ª parcela de auxílio para nascidos em maio
Economia

Petrobras reajusta em 5% preço do gás de cozinha

Preço médio da estatal será equivalente a R$ 24 por botijão de 13 kg
Santa Catarina

Empresômetro aponta mais de 946 mil empresas ativas em Santa Catarina

Nos quatro primeiros meses de 2020, foram abertos 49 mil negócios no estado
Empresômetro aponta mais de 946 mil empresas ativas em Santa Catarina
Ver mais de Economia