ECONOMIA

Fed prevê juros mais altos em 2019 e bolsas de NY fecham em baixa

19 Dez 2018 - 20h35Por Victor Rezende

O voto de confiança que os mercados acionários americanos deram ao Federal Reserve (Fed, o banco central americano) no início do dia foi dissipado logo que a decisão de política monetária da instituição foi conhecida. O bom avanço visto nos principais índices acionários em Nova York deu adeus à medida que os investidores não se fizeram de rogados e voltaram às vendas depois que o Fed sinalizou duas elevações nos juros no próximo ano. Apesar de ser um tom mais suave em relação a setembro, quando o banco central indicou três aumentos, investidores acreditavam que os juros não mais subiriam em 2019, como indicava o CME Group.

"O Fed fez o mínimo esperado ao elevar os juros em 25 pontos-base e lançar mão de um dos aumentos programados para 2019. Isso não foi suficiente para o mercado de ações, onde os investidores parecem ter esperado ver uma mudança mais substantiva no tom do Fed. Isso não aconteceu", comentou o economista-chefe da Pantheon Macroeconomics, Ian Shepherdson. A consultoria mantém a avaliação de que os juros podem subir quatro vezes em 2019 nos EUA em um cenário que contemple um acordo comercial entre americanos e chineses. "Se isso não acontecer, as taxas subirão uma ou duas vezes mais, em linha com o projetado pelo Fed."

Nem mesmo as sinalizações de que mais altas de juros estão a caminho fizeram com que ações de bancos apresentassem ganhos. Durante a coletiva de imprensa concedida pelo presidente do Fed, Jerome Powell, os papéis passaram a renovar mínimas sucessivas. O Goldman Sachs enfrentou queda de 1,31%, o JPMorgan sofreu baixa de 1,27% e o Citigroup amargou perda de 2,06%. Já o subíndice financeiro do S&P 500 recuou 1,24%, terminando o dia cotado a 390,00 pontos, no menor nível desde novembro de 2016.

"Continuamos a projetar duas altas nos juros em 2019, com os Fed funds chegando à faixa entre 2,75% e 3,00% no atual ciclo de aperto. No entanto, enfatizamos a incerteza em torno do momento exato dessas elevações. Um Fed que dependerá dos indicadores econômicos, que enfrentará um crescimento global desigual e um momento com preços de ativos mais voláteis deve ser mais cauteloso do que foi este ano", ressaltou o economista-chefe para EUA do Citi, Andrew Hollenhorst.

Volatilidade em alta tem sido vista nas ações de empresas de tecnologia, que voltaram a ser castigadas nesta quarta-feira. A Apple liderou as perdas no S&P 500 e enfrentou perda de 3,12%. Já o papel do Facebook despencou 7,25% em meio a alegações de que a companhia vende dados de usuários sem consentimento. A empresa comandada por Mark Zuckeberg nega a acusação, que foi publicada pelo New York Times. No cenário de penalização das techs como um todo, o índice Nasdaq enfrentou queda de 2,17%, cotado a 6.636,83 pontos.

Em Wall Street, o índice Dow Jones recuou 1,49%, para 23.323,66 pontos. O índice S&P 500, por sua vez, chegou a perder o nível psicologicamente importante dos 2,5 mil pontos durante a coletiva de Powell, mas retomou o patamar antes do fim dos negócios regulares, ao cair 1,54%, para 2.506,96 pontos. O cenário mais adverso a ativos mais arriscados fez com que o Credit Suisse revisasse para baixo suas projeções para o indicador. De acordo com o banco suíço, sua estimativa para o S&P 500 no fim de 2019 caiu de 3.350 pontos para 2.925 pontos.

"Desde o fim de setembro, a volatilidade mais que dobrou e fez com que os preços das ações caíssem 13%. No entanto, a história mostra que, nos meses seguintes a um aumento no VIX, as ações tendem a gerar retornos desmedidos", comentou o estrategista-chefe de ações americanas do Credit Suisse, Jonathan Golub. Para ele, a conclusão do processo de aperto monetário do Fed, possivelmente em 2019, "será um catalisador significativo para o mercado em 2019".

Matérias Relacionadas

Economia

Sorteio da Quina de São João será neste sábado

Prêmio de R$ 170 milhões é o maior do concurso
Sorteio da Quina de São João será neste sábado
Economia

Banco Central nega possibilidade de golpe com Pix agendado

Segundo órgão, mensagem que circula na internet não passa de rumor
Banco Central nega possibilidade de golpe com Pix agendado
Economia

Governo deve anunciar prorrogação do auxílio nesta semana, diz Guedes

Ministro se reuniu com empresário na Fiesp, em São Paulo
Governo deve anunciar prorrogação do auxílio nesta semana, diz Guedes
Política

Secretário e deputados discutem aperfeiçoamento do Prodec

A iniciativa visa tornar os benefícios do principal programa de incentivo ao desenvolvimento da indústria mais acessíveis ao investidor
Secretário e deputados discutem aperfeiçoamento do Prodec
Ver mais de Economia