Delivery Much
ECONOMIA

Fed pode precisar cortar juros para cumprir meta de inflação, diz Bullard

22 Mai 2019 - 03h56

O presidente da distrital do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) em St. Louis, James Bullard, disse nesta quarta-feira que a instituição poderá precisar cortar seu juro básico se a inflação não voltar a acelerar para os níveis desejados.

O Fed "pode querer considerar formas de recentralizar a inflação e as expectativas de inflação na meta de 2%", num ambiente em que o BC americano tem consistentemente falhado em cumprir seu objetivo de elevação de preços, disse Bullard em notas preparadas para um discurso que faria em Hong Kong.

Uma forma de o Fed atingir isso seria relaxando sua política monetária, disse Bullard.

Para Bullard, que vota nas reuniões do Fed este ano, um corte de juros, mesmo em meio a um desempenho relativamente bom da economia, pode ajudar a manter a credibilidade da meta de inflação mais adiante. "Uma mudança desse tipo na taxa pode se tornar uma opção atrativa se os dados de inflação continuarem decepcionando", completou.

Bullard, que é um tradicional opositor de altas de juros, também comentou que a fase de normalização da política do Fed acabou e que, de agora em diante, a política será ajustada de acordo com as mudanças nas condições econômicas. Fonte: Dow Jones Newswires.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Apostador de Fortaleza acerta os seis números sorteados na Mega-Sena

Os números sorteados neste sábado foram 02, 09, 34, 49, 51, 55
Apostador de Fortaleza acerta os seis números sorteados na Mega-Sena
Economia

Nascidos em outubro podem sacar auxílio emergencial a partir de hoje

Serão beneficiadas 3,5 milhões de pessoas
Nascidos em outubro podem sacar auxílio emergencial a partir de hoje
Economia

Mega-Sena acumula e prêmio vai para R$ 22 milhões

A quina teve 75 ganhadores, com prêmio individual de R$ 32.688,93
Mega-Sena acumula e prêmio vai para R$ 22 milhões
Economia

Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano

Apesar de alta na inflação, BC decidiu não mexer na Selic
Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
Ver mais de Economia