quarta, 24 de abril de 2019 - 08h52
(47) 3371-1010Central (47) 3372-1010Ao Vivo
ECONOMIA

Externo permite alta moderada do Ibovespa, que também espera Previdência

13 Fev 2019 - 12h33Por Maria Regina Silva

O principal índice da B3 pode ter o segundo dia consecutivo de ganhos, na esteira do otimismo que afetou os mercados na véspera após expectativas de evolução nas conversas comerciais entre Estados Unidos e China, além de informações de que pode não haver nova paralisação do governo norte-americano esta semana.

Além do clima internacional melhor continuar, o noticiário sobre a reforma da Previdência também apoia algum alívio, já que o presidente Jair Bolsonaro, que dará o aval sobre o texto final, deve deixar o Hospital Israelita Albert Einstein hoje, conforme afirmou mais cedo o Palácio do Planalto. Um operador lembra do vencimento de opções sobre o índice, que tende a limitar os ganhos.

Nesta quarta-feira, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, defendeu que o texto da reforma da Previdência deve levar todos os segmentos da sociedade em consideração. Pouco depois foi a vez do ministro da Economia, Paulo Guedes, fazer sua defesa sobre a reforma em evento em Brasília.

De acordo com Guedes, o governo não pode agir como uma "máquina de transferência perversa de renda" por meio da Previdência Social, dos impostos e dos subsídios. Conforme ele, o governo precisa fazer transferências de renda legítimas e que cheguem aos municípios e às pessoas que mais precisam.

Os comentários ocorrem em meio à pressão recente do agronegócio, que levou o governo a recuar. O setor pediu ao ministro da Economia para rever a medida sobre o fim da taxação do leite vindo da União Europeia e da Nova Zelândia. "Todos os dias, vem gente de todo o Brasil para pedir coisas ao Brasil. Mas eu pergunto: o que eles podem dar ao Brasil?", questionou. Entre os pedidos dessas pessoas estão "subsídios, dinheiro para isso, dinheiro para aquilo". "Quebraram o Brasil."

Lá fora, apesar das incertezas relacionadas ao Brexit, as bolsas europeias e índices futuros norte-americanos têm alta nesta manhã. "Sobem ainda refletindo o acordo fechado pelos democratas e republicanos - com relação à segurança na fronteira entre EUA e México - e após a declaração do presidente Donald Trump de que poderia adiar o prazo de 1º de março para aplicar as sobretarifas sobre produtos chineses", ressalta o Bradesco, em nota.

Às 11h03, o Ibovespa subia 0,415, aos 96.560,62 pontos, após máxima aos 96.803,73 pontos. As ações da Petrobrás avançaram na esteira do aumento das cotações do barril de petróleo no exterior, com o papel PN em 1,24% e o ON em 0,94%. "Petrobras pode ajudar, mas vamos ver como varejistas importantes vão se comportar após a divulgação do varejo", diz um operador

"Não acredito que terá a mesma força que ontem. Há alguns fatores que podem limitar, especialmente essa questão envolvendo a discussão sobre a reforma da Previdência. Ainda não sabemos como ficará a proposta, principalmente no que diz respeito à idade mínima. Precisa de esclarecimento. Enquanto isso, deve ficar em compasso de espera", afirma o operador.

Em 2018, as vendas do varejo restrito caíram 2,2% em dezembro ante novembro, fechando o ano com alta de 2,3%. A despeito do crescimento em 2018, os dados reforçam a perda de fôlego da atividade econômica no ultimo trimestre, podendo abrir espaço para elevar o debate sobre queda da taxa Selic, e atrair mais recursos para a Bolsa.