ECONOMIA

Espera por texto de aposentaria de militar e clima ruim externo pesam no Ibovespa

20 Mar 2019 - 13h01Por Maria Regina Silva

Incertezas sobre o rumo das negociações comerciais entre EUA e China, expectativa pelo envio da proposta da reforma de aposentaria dos militares e reuniões de política monetária aqui e no exterior são alguns dos temas norteiam os negócios na Bolsa brasileira. O clima no exterior já é negativo e atinge o Ibovespa, que, na terça-feira, passou por realização de lucros, fechando em queda de 0,41%, aos 99.588,37 pontos.

Aqui, primeiramente, o compasso de espera é pelo projeto de reforma previdenciária dos militares, à medida que o mercado ainda não tem ideia do teor do texto. A proposta está prevista para ser enviada nesta quarta ao Congresso.

Às 11h56, o Ibovespa caia 0,46%, aos 99.131,16 pontos.

A equipe econômica quer convencer o presidente Jair Bolsonaro a propor um texto ainda mais duro para o regime de aposentadoria das Forças Armadas, buscando uma economia maior que os R$ 92,3 bilhões projetados para os primeiros dez anos.

O objetivo é compensar o custo que a reestruturação das carreiras terá para os cofres públicos, de cerca de R$ 10 bilhões na primeira década. Em artigo publicado no jornal Valor Econômico nesta quarta-feira, Bolsonaro diz que despenderá todo seu esforço para que a reforma previdenciária seja aprovada "o quanto antes".

"Precisa ver o que virá dessa proposta. Enquanto isso, o investidor ficará na expectativa", diz um operador, citando ainda a reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) à tarde, seguida de entrevista coletiva do presidente do Fed, Jerome Powell.

"A expectativa é pelo comunicado, se indicará novos aumentos de juros e quantos poderão ser. Por ora, o cenário é mais negativo, com petróleo e minério em queda, e bolsas europeias recuando", afirma a fonte. Os índices futuros de Nova York rondam a estabilidade, com viés de alta.

A LCA ainda acrescenta que muitos esperam que o Fed reduza suas projeções para o crescimento da economia. A consultoria não descarta a possibilidade de a decisão do Fed causar certo nervosismo nos mercados, se frustrar as expectativas, gerando repercussões adversas sobre a liquidez global e os ativos e moedas emergentes.

Já para o primeiro Comitê de Política Monetária (Copom) do novo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, na noite desta quarta, a consultoria acredita que buscará sinalizar continuidade, preservando a retórica de "cautela, serenidade e perseverança".

Contudo, não elimina a chance de o comunicado indicar algum estímulo monetário - o que pode reforçar apostas de corte da taxa Selic em meados do ano. A expectativa unânime é que o Copom mantenha a Selic em 6,5% ao ano hoje.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Lojas de Jaraguá ficam abertas até 17h neste sábado

Segundo Talita Beber, presidente da CDL Jaraguá do Sul, o comércio local está preparado com promoções, ações de vendas casadas e, com foco na segurança por causa da pandemia
Lojas de Jaraguá ficam abertas até 17h neste sábado
Economia

Governo do Estado institui o Auxílio Catarina

Benefício emergencial será destinado a mais de 60 mil famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica no estado
Governo do Estado institui o Auxílio Catarina
Economia

Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia

O investimento do Executivo será superior a R$ 37 milhões, com recursos já garantidos no orçamento
Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia
Economia

Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp

Instituição financeira cooperativa oferece nova opção de transferência para os associados por meio de parceria com o Facebook
Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp
Ver mais de Economia