Joaçaba Pneus
ECONOMIA

Ernesto Araújo não responde a preocupações do agronegócio, diz vice da SRB

21 Dez 2018 - 13h20Por Lu Aiko Otta

A ideia de criar no Ministério das Relações Exteriores um departamento específico para o agronegócio é uma ideia positiva, comentou nesta sexta-feira, 21, o vice-presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB), Pedro de Camargo Neto. Ele explicou que hoje já existe na pasta uma divisão que cuida de agricultura e produtos de base. Um departamento seria, portanto, um up grade.

Mas Camargo considerou "ruim" e "fraca" a manifestação do futuro chanceler, embaixador Ernesto Araújo, em apoio ao setor, em sua conta no Twitter. "Ele não respondeu sobre a questão da embaixada em Jerusalém, que é o que o setor quer saber", afirmou. Tampouco houve posicionamento em relação à China, outro ponto de preocupação.

Há pouco, Araújo postou no Twitter que vai criar um departamento de agronegócio e que dará ao setor uma atenção nunca antes dispensada. Disse também que o Itamaraty foi a "casa do MST" nos governos do PT e que algumas negociações comerciais em curso são ruins para o agronegócio. Acusou o "establishment" e a mídia de tentar indispor a agricultura com os "ideais do povo brasileiro."

Mas o que de fato preocupa o agronegócio são os sinais que pode haver problemas na relação com grandes mercados, como a China e o Oriente Médio.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, emitiu sinais de indisposição com a China, ao visitar Taiwan (que não reconhece o predomínio do continente) e disse que os chineses estão "comprando o Brasil". Ao que os chineses responderam, com um editorial num jornal destinado ao ocidente, que o Brasil pode pagar caro por suas posições.

A China é o maior parceiro comercial do Brasil, com exportações de US$ 58,8 bilhões até o fim de novembro deste ano. Desses, US$ 25,9 bilhões são de soja.

Já o mercado árabe, grande consumidor de açúcar e carne, ameaça retaliar caso o Brasil de fato transfira sua embaixada de Tel-Aviv para Jerusalém. O gesto reconheceria a reivindicação de Israel sobre a cidade. Os árabes apoiam a Palestina no conflito.

As negociações comerciais em curso, avalia Pedro Camargo, não ameaçam o setor agrícola. "O agronegócio sempre ganha; às vezes ganha pouco, às vezes ganha muito."

Ele reconhece que a falta de acordos bilaterais de fato impede um comércio maior, mas acredita que eles não existam "mais por culpa do setor do que do Itamaraty". Por ser um setor forte, o agro mais atrapalha o fechamento de novos acordos do que ajuda, avalia o especialista.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

FIESC defende redução temporária do imposto de importação do aço

O insumo teve alta superior a 100% em 12 meses e tem impactado diversos setores, principalmente a construção e o metalmecânico
FIESC defende redução temporária do imposto de importação do aço
Economia

Sine de Santa Catarina tem 5.145 vagas de emprego abertas

Todas as vagas são para contratações efetivas, os pré-requisitos e a carga horária variam de acordo com o cargo.
Sine de Santa Catarina tem 5.145 vagas de emprego abertas
Geral

Sicredi fortalece o compromisso com a agricultura familiar em SC

Atuação do Sicredi junto a agricultura familiar e em toda a cadeia produtiva do agronegócio fomenta o desenvolvimento econômico.
Sicredi fortalece o compromisso com a agricultura familiar em SC
Economia

Após venda de fábrica em Schroeder, Menegotti divulga nota

Cerca de 450 pessoas trabalham na unidade
Após venda de fábrica em Schroeder, Menegotti divulga nota
Ver mais de Economia