Campanha Sarampo
Economia

Em cada dez brasileiros, sete não conseguiram poupar dinheiro em agosto

66% dos poupadores colocam dinheiro na velha caderneta de poupança, principalmente, pela facilidade de resgate. Somente 16% dos que poupam guardam pensando na aposentadoria e 42% tiveram de resgatar ao menos parte do dinheiro poupado

26 Set 2019 - 09h35Por SPC Brasil


O levantamento ainda mostra que a maior parte dos poupadores busca proteger-se contra imprevistos como doenças, morte de entes ou mesmo o desemprego (61%). Há também 42% que poupam pensando em garantir um futuro melhor para a família, 16% que poupam com o intuito de comprar a casa própria e 14% que citam a intenção de abrir um negócio. A reserva financeira com foco na aposentadoria foi citada apenas por 16% dos entrevistados.

Para o educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli, é preocupante que uma minoria dos poupadores tenha como objetivo guardar dinheiro para garantir uma aposentadoria tranquila. “A preparação individual para a aposentadoria ganha ainda mais força neste momento em que se discute a reforma da previdência. Um futuro tranquilo nas finanças depende de um esforço feito no presente. Muitos acham que não vale a pena, pois sobra pouco dinheiro. Porém, o hábito de poupar é mais importante do que o valor que se guarda mensalmente, já que com o passar do tempo, essa quantia vai aumentando gradativamente com o efeito dos juros da aplicação”, alerta o educador.

Entre os que poupam, 42% tiveram de sacar ao menos parte desses recursos em agosto, principalmente para pagar contas do dia a dia (32%), quitas dívidas (30%) e lidar com imprevistos (26%).
 
A velha poupança lidera ranking de investimentos do brasileiro; 33% citam facilidade de resgate e 21% acreditam não ter dinheiro suficiente para diversificar aplicações

O levantamento ainda revela que o principal destino do dinheiro poupado pelos brasileiros continua sendo a velha caderneta de poupança, citada por 66% dos entrevistados. Também chama a atenção o fato de que 21% deixam a quantia parada na conta corrente e 18% guardam dinheiro em casa. Outras modalidades mais sofisticadas como o tesouro direto e CDBs foram citados por 11% e 9%, respectivamente.

“A preferência majoritária pela poupança, que tem baixo rendimento, ou por guardar dinheiro na própria casa, por exemplo, demonstra que mesmo entre aqueles que guardam dinheiro, há falta de conhecimento e interesse em buscar aplicações mais rentáveis e adequadas para cada tipo de objetivo financeiro”, explica a economista Marcela Kawauti.

De acordo com a pesquisa, entre aqueles que optam pela poupança, guardar dinheiro em casa ou na conta corrente, 33% garantem que o fazem pela facilidade de sacar o dinheiro a qualquer momento. Já 21% alegam não ter dinheiro suficiente para investir em outras modalidades e 19% citam a questão do hábito no uso das opções mais tradicionais. Além desses, 16% têm medo de perder o valor aplicado e 11% alegam não ter conhecimento suficiente para investir.

“A carteira de investimentos do poupador brasileiro é bastante conservadora. Para compensar a perda de rentabilidade de modalidades atreladas à taxa Selic ou à taxa DI, que têm rendido pouco atualmente com os juros em patamar baixo, o poupador que quiser obter mais ganhos terá de diversificar suas aplicações. Isso depende de uma análise criteriosa que leva em conta o apetite ao risco do investidor e também do objetivo daquela aplicação”, afirma a economista Marcela Kawauti.

Matérias Relacionadas

Economia

Pequenos negócios geraram 75% dos empregos formais em setembro

Micro e pequenas empresas criaram 119 mil postos no mês passado
Pequenos negócios geraram 75% dos empregos formais em setembro
Economia

Vendas do varejo sobem 0,1% de julho para agosto

O setor de veículos, motos, partes e peças caiu 1,7% e o segmento de material de construção recuou 0,8% em agosto
Vendas do varejo sobem 0,1% de julho para agosto
Economia

Safra de grãos deve crescer 6,3% e fechar com recorde em 2019

A área colhida de cereais, leguminosas e oleaginosas foi estimada em 63,1 milhões de hectares, ou seja, 3,5% a mais do que em 2018
Safra de grãos deve crescer 6,3% e fechar com recorde em 2019
Santa Catarina

Governo de Santa Catarina economiza R$ 6,4 milhões na compra de combustível em nove meses

O Governo do Estado economizou 896 mil litros de gasolina e óleo diesel em nove meses, resultado do novo modelo de aquisição de combustíveis da frota estadual
Governo de Santa Catarina economiza R$ 6,4 milhões na compra de combustível em nove meses
Ver mais de Economia