ECONOMIA

Dúvidas sobre reforma e Petrobras limitam baixa do dólar em linha com exterior

17 Abr 2019 - 11h10Por Silvana Rocha

O dólar iniciou a sessão desta quarta-feira, 17, em baixa ante o real, sob influência da desvalorização externa em relação a outras divisas de países emergentes exportadores de commodities, após vários dados da economia da China melhores que o esperado. O destaque é o crescimento de PIB do primeiro trimestre de 6,4%, acima do previsto (6,3%), que alivia preocupações com uma desaceleração do país, mas também gera especulações sobre retirada de estímulos recentes à economia.

Internamente, há dúvidas se haverá votação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara hoje ou na próxima semana. Além disso, há preocupação sobre a capacidade dos governistas de evitar que se vote algo além da admissibilidade da proposta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

O líder da maioria na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), disse que pode haver mudanças no parecer do relator Marcelo Freitas (PSL-MG). "O texto pode ser modificado, mas conversas ainda estão acontecendo", disse. Freitas, porém, afirmou que não pretende alterar seu parecer.

Já o líder do PP, Arthur Lira (AL), disse que a ideia é retirar da matéria os chamados "jabutis", ou seja, pontos que não tratem especificamente sobre Previdência. A oposição promete obstruir eventual votação hoje e, entre as estratégias, pode não dar quórum para a votação e haverá tentativas de se votar pareceres em separado, com a supressão de trechos da proposta original.

O investidor também observa os desdobramento da reunião de ontem à noite entre o presidente Jair Bolsonaro, ministros e a diretoria da Petrobras.

Embora tenha dito que a estatal é independente para estabelecer o preço do petróleo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu que a política de reajustes atual não é suficientemente transparente e disse que mudanças estão em estudo. A Petrobras havia anunciado um reajuste de 5,7% no preço do diesel, que foi suspenso após um telefonema de Bolsonaro.

Às 9h37, o dólar à vista caía 0,16%, aos R$ 3,8962. O dólar futuro para maio recuava 0,17%, aos R$ 3,9005.

Na Europa, o Ministério de Economia e Energia da Alemanha anunciou um novo corte na projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do país em 2019, reduzindo-a do 1,0% estimado no fim de janeiro para 0,5%.

Matérias Relacionadas

Economia

Bolsonaro confirma mais duas parcelas do auxílio emergencial

Valor será menor do que os atuais R$ 600
Bolsonaro confirma mais duas parcelas do auxílio emergencial
Economia

Caixa libera saque da 2ª parcela de auxílio para nascidos em maio

Mais de 50 bancos participam da operação de pagamento
Caixa libera saque da 2ª parcela de auxílio para nascidos em maio
Economia

Petrobras reajusta em 5% preço do gás de cozinha

Preço médio da estatal será equivalente a R$ 24 por botijão de 13 kg
Santa Catarina

Empresômetro aponta mais de 946 mil empresas ativas em Santa Catarina

Nos quatro primeiros meses de 2020, foram abertos 49 mil negócios no estado
Empresômetro aponta mais de 946 mil empresas ativas em Santa Catarina
Ver mais de Economia