ECONOMIA

Dólar tem maior queda porcentual desde 12 de fevereiro e fecha em R$ 3,85

25 Mar 2019 - 19h25Por Altamiro Silva Junior

O mercado de câmbio teve um dia de trégua nesta segunda-feira, 25, após o dólar disparar na semana passada, saindo da mínima durante a quarta-feira (20), de R$ 3,73, para a casa dos R$ 3,93 no começo da sessão desta segunda-feira. O exterior mais calmo ajudou, com dólar em queda lá fora, mas a sinalização do governo de que os ruídos com o Congresso devem ser apaziguados e o diálogo entre o Planalto e o Legislativo deve ser retomado também contribuiu de forma importante para a melhora do mercado. O real foi a segunda divisa que mais ganhou valor nesta segunda ante o dólar, atrás apenas da lira turca, que recuperou terreno após ter caído mais de 6% na sexta-feira por questões geopolíticas. O dólar à vista fechou em queda de 1,16%, a R$ 3,8562. Foi a maior queda porcentual desde 12 de fevereiro, quando recuou 1,33%.

A abertura do mercado deu mostras de que o clima de estresse visto na quinta e na sexta-feira da semana passada iria continuar e o dólar chegou a bater em R$ 3,93. Mas após o final de uma reunião entre o presidente Jair Bolsonaro e seus ministros, incluindo o da Economia, Paulo Guedes, as cotações passaram a cair em ritmo mais forte. O Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, apurou que o presidente pediu "foco na Previdência" e "pacificação no Congresso".

Na parte da tarde, Guedes reforçou em evento a visão de que acredita na aprovação da Previdência e disse acreditar que "em três ou quatro meses" espera estar com a reforma resolvida. O ministro afirmou que a reforma interessa a todos e, se for feita, vai sobrar recursos para Estados e municípios. Caso não seja aprovada, os funcionários públicos ficarão sem salários. Guedes falou na mesma hora em que saiu a notícia de liberação do ex-presidente Michel Temer e do ex-ministro Moreira Franco, que acabou tendo impacto limitado nas cotações.

"A fervura esfriou", disse o gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo. Ele ressalta que o mercado começou a ficar preocupado com os rumos da Previdência, principalmente com sua desidratação, em meio aos vários ruídos produzidos pelo uso das redes sociais pelo governo para se comunicar com o Congresso, sobretudo durante a troca de farpas no final de semana entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e Bolsonaro. "Hoje (segunda) o clima melhorou", disse ele, destacando que essas informações complicam a previsão de quando a Previdência pode ser aprovada, sobretudo dos investidores estrangeiros.

No exterior, a moeda americana caiu perante algumas divisas fortes, como o euro, e ante a maioria dos emergentes, em meio ao temor de piora da economia global. O HSBC rebaixou a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) mundial este ano de 2,6% para 2,4% e alertou para uma perspectiva de crescimento que vem ficando "crescentemente turva". O banco também rebaixou a estimativa para o PIB brasileiro e vê o dólar não muito diferente do patamar atual ao longo do ano, ficando em R$ 3,85 no segundo trimestre, R$ 3,87 no terceiro e R$ 3,90 nos três últimos meses de 2019.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Programa de Microcrédito de Jaraguá já tem adesão de instituição financeira

Termo de credenciamento da instituição foi assinado nesta quinta-feira
Programa de Microcrédito de Jaraguá já tem adesão de instituição financeira
Economia

Mais de 70% das indústrias têm dificuldades em conseguir matéria-prima

É o que revela pesquisa feita pela CNI
Mais de 70% das indústrias têm dificuldades em conseguir matéria-prima
Economia

Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em fevereiro

Benefício terá parcelas de R$ 150 a R$ 375
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em fevereiro
Educação

Sicredi lança plataforma digital com cursos gratuitos para associados 

São mais de cem possibilidades de cursos
Sicredi lança plataforma digital com cursos gratuitos para associados 
Ver mais de Economia