Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

Dólar tem 3ª queda seguida, mas ritmo de baixa se reduz com cautela antes do Fed

19 Mar 2019 - 19h07Por Altamiro Silva Junior

O dólar engatou a terceira queda consecutiva nesta terça-feira, 19, e já acumula sete dias de baixas nos últimos oito pregões, em meio ao otimismo com o avanço da Previdência e do exterior positivo. Nesta terça, depois de uma primeira parte de negócios de maior otimismo, quando o dólar chegou a recuar para R$ 3,76, com operadores reportando nova entrada de fluxo externo para a bolsa, a parte da tarde foi marcada por maior cautela, com a expectativa do final da reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) e também pela entrega da proposta de reforma da Previdência dos militares ao Congresso, também prevista para esta quarta-feira. O dólar à vista fechou em queda de 0,06%, cotado em R$ 3,7891.

A moeda americana voltou a se enfraquecer no mercado internacional ante divisas de países desenvolvidos, como a libra, mas operou mista em relação aos emergentes, caindo no México e subindo em outros mercados, como a Turquia. Na parte da tarde, a queda perdeu fôlego, enquanto aumentava a expectativa pela reunião do Fed e também a do Banco Central do Brasil, que começou nesta terça o primeiro encontro sob comando do novo presidente, Roberto Campos Neto.

"O mercado ficou em compasso de espera hoje (terça), pelo Fed e para ver qual a diretriz do novo Copom", disse o operador da Advanced Corretora, Alessandro Faganello. Nos Estados Unidos, a expectativa é ver se o Fed vai manter a postura cautelosa e paciente que vinha sinalizando. Para o encontro daqui, o objetivo é ver se Campos Neto vai sinalizar alguma mudança de direção da política monetária, que pode ter consequências na entrada de dólares no País. Outra expectativa do mercado, disse ele, é pela entrega da proposta de reforma da Previdência dos militares ao Congresso, que deve ocorrer na tarde desta quarta-feira.

Mais cedo, o presidente em exercício, Hamilton Mourão, afirmou que a proposta dos militares está pronta e só precisa do aval de Jair Bolsonaro, que volta Nesa terça à noite dos Estados Unidos após se encontrar com Donald Trump. À tarde, o secretário executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, reforçou que a equipe econômica está fazendo os ajustes finais e que a decisão política sobre o tema é de Bolsonaro.

Para a reunião do Fed, a economista-chefe da corretora Stifel, Lindsey Piegza, espera que os dirigentes reduzam a projeção feita em dezembro de duas altas de juros em 2019 para "uma ou nenhuma". Ela não descarta que o próximo movimento do Fed possa até ser um corte de juros, diante da desaceleração da economia. Nesse contexto, uma das possibilidades nesta quarta é o BC americano cortar as previsões de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA para os próximos anos.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Arrecadação catarinense cresce 5,7% em fevereiro

Somente com ICMS, a soma foi de R$ 2,22 bilhões, de acordo com os dados divulgados pela Secretaria de Estado da Fazenda (SEF/SC) nesta quinta-feira (4)
Arrecadação catarinense cresce 5,7% em fevereiro
Economia

IPTU 2021 vence dia 10 de março em Jaraguá

Quem optar pelo pagamento a vista terá desconto de 10%
Política

Licitação para reforma da escola Albano Kanzler deve ser lançada em 30 dias

Obra é aguardada há 20 anos pela comunidade
Licitação para reforma da escola Albano Kanzler deve ser lançada em 30 dias
Economia

Transporte rodoviário tem novo piso mínimo de frete

Tabela foi publicada hoje no Diário Oficial da União
Transporte rodoviário tem novo piso mínimo de frete
Ver mais de Economia