ECONOMIA

Dólar sobe para R$ 3,95 e fecha no nível mais alto desde 1º de outubro

27 Mar 2019 - 19h05Por Altamiro Silva Junior

O mercado de câmbio teve uma sessão marcada por nervosismo e o dólar fechou nesta quarta-feira, 27, no patamar mais alto desde 1º de outubro de 2018, quando terminou em R$ 4,0299 por conta das incertezas sobre quem disputaria nas eleições o segundo turno com Jair Bolsonaro. O ambiente externo negativo contribuiu para pressionar a moeda americana ao longo do dia, mas foram fatores domésticos que acabaram tendo peso relevante. Com isso, o real foi a segunda moeda que mais perdeu valor ante o dólar hoje, atrás apenas do peso argentino, considerando uma lista de 33 moedas.

Nas mesas de operação, aumentou a sensação de que a tramitação da reforma da Previdência será mais difícil do que o esperado após o governo sofrer derrota na noite de terça-feira com a rápida aprovação na Câmara da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que torna obrigatória a execução do Orçamento aprovada pelo Congresso, retirando margem de manobra do Planalto. O Senado pode votar a PEC ainda nesta quarta-feira. No final do dia, o dólar à vista terminou em alta de 2,24%, cotado em R$ 3,9543.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, fez no Senado defesa veemente da reforma da Previdência na tarde desta quarta, mas reconheceu que a votação da PEC na Câmara "deu demonstração de poder de uma casa legislativa". No mesmo horário, em entrevista à TV Band, o presidente Jair Bolsonaro também defendeu a reforma, mas criticou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), falando que o parlamentar foi "infeliz" ao criticar o ministro Sergio Moro. Bolsonaro prometeu encontrar Maia quando voltar da viagem que fará a Israel.

O gestor da Rosenberg Asset, Eric Hatisuka, avalia que uma das chances é o texto da Previdência ser ainda mais desidratado. Para ele, o governo precisa tomar um "choque de realidade" após os últimos eventos e tentar recomeçar. A sensação no mercado financeiro é que Bolsonaro quer tratar apenas de questões de Estado e não da articulação com o Congresso, necessária no regime do presidencialismo de coalizão. "O mercado não esperava que Bolsonaro tivesse problema tão grande de articulação com o Congresso, sobretudo quando se considera que ele foi deputado por quase 30 anos", afirma.

Para o dólar, Hatisuka acha difícil a moeda voltar para níveis de R$ 3,60 ou R$ 3,70 nas próximas semanas. Mesmo se o governo conseguir avanços importantes na articulação e no diálogo com o Congresso, o ambiente externo está bem mais desafiador, com fortalecimento do dólar no exterior em meio ao aumento da percepção de fraqueza da economia mundial e da visão de que as ações dos bancos centrais dos países desenvolvidos não estão sendo suficientes. "A sensação é que os BCs estão atrasados para o tamanho da desaceleração que está vindo." A consequência imediata é o investidor buscar proteção e rentabilidade no dólar, sobretudo quando se considera que os Estados Unidos são hoje uma das poucas economias desenvolvidos importantes com juro positivo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Auxílio emergencial é pago a beneficiários do Bolsa Família com NIS 2

Parcela varia de R$ 150 a R$ 375, dependendo do beneficiário
Auxílio emergencial é pago a beneficiários do Bolsa Família com NIS 2
Economia

Caixa sorteia R$ 30 milhões da Dupla-Sena da Páscoa neste sábado

Apostas podem ser feitas até as 19h
Caixa sorteia R$ 30 milhões da Dupla-Sena da Páscoa neste sábado
Economia

WEG anuncia novos investimentos em Minas Gerais

Com uma nova fábrica de Eletrocentros em Betim, companhia pretende fortalecer sua posição em um dos mais importantes mercados de equipamentos elétricos industriais e para geração de energia do país
WEG anuncia novos investimentos em Minas Gerais
Economia

Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias

Litro do diesel passará a custar R$ 2,76, e o da gasolina, R$ 2,64
Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias
Ver mais de Economia