105 Ouça
Caraguá
ECONOMIA

Dólar recua em sintonia com exterior, mas reduz perdas de olho em queda do IBC-BR

18 Mar 2019 - 11h10Por Silvana Rocha

O dólar reduziu por volta das 9h50 desta segunda-feira, 18, a queda registrada desde os primeiros negócios, sob influência do IBC-BR de janeiro, cuja queda de 0,41% ante dezembro foi pior do que a mediana das projeções do mercado. Ainda assim, a taxa de câmbio segue em baixa e é influenciada pelo dólar fraco no exterior em meio a expectativas de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) mantenha seus juros básicos inalterados no encontro desta terça e quarta-feira (19 e 20).

Após avançar 0,21% em dezembro (dado revisado), a economia brasileira teve baixa em janeiro de 2019. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) recuou 0,41% em janeiro ante dezembro, na série com ajuste sazonal. O resultado veio pior que a mediana das estimativas colhidas pelo Broadcast Projeções, mas dentro do intervalo previsto de -1,00% e +0,70%.

Investidores estão na expectativa nesta semana pelas decisões de juros do Copom e do Federal Reserve em reuniões que começam na terça e terminam na quarta-feira. Para as duas reuniões é esperada manutenção dos juros nos níveis atuais de 6,5% e na faixa de 2,25% a 2,50% ao ano, respectivamente. O presidente do Fed, Jerome Powell, concederá entrevista depois da reunião.

Após o BCE relaxar sua política na semana passada com empréstimos baratos a bancos, a expectativa é que o BC americano reduza suas projeções para futuros aumentos das taxas, assim como para o crescimento econômico dos EUA. Há também rumores de que o Fed planeja parar de reduzir seu balanço patrimonial, que é formado por quase US$ 3,8 trilhões em títulos.

Também há grande expectativa, no Brasil, pela apresentação do projeto de aposentadoria dos militares. A proposta deve ser entregue pela equipe econômica ao Congresso nesta quarta-feira, dia 20. O Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, revelou que o texto apresentado ao ministério da Economia inclui uma reestruturação da carreira militar que implicaria em custo extra em torno de R$ 10 bilhões nos primeiros dez anos.

No radar desta segunda deve ficar o ministro da Economia, Paulo Guedes, que acompanha o presidente Jair Bolsonaro em viagem a Washington (EUA). Guedes reúne-se com o secretário do Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross (12h15), e com o representante comercial do país, Robert Lightizer (16h30).

Brasil e EUA devem assinar nesta segunda o acordo que permite o uso comercial da base de Alcântara, no Maranhão. Na terça, Bolsonaro será recebido na Casa Branca pelo presidente dos EUA, Donald Trump. E o governo deve enviar ao Congresso até quarta-feira a proposta que reformula a aposentadoria dos militares.

Às 9h54 desta segunda-feira, o dólar à vista caía 0,20%, aos R$ 3,8136. A mínima até o momento foi de R$ 3,8026 (-0,47%) e a máxima, em R$ 3,8186 (-0,05%). O dólar futuro para abril estava praticamente estável, em R$ 3,8150 (-0,01%).

GNet

Matérias Relacionadas

Economia

Sindicato dos Metalúrgicos da região e classe patronal fecham reajuste para 2022

Confira o reajuste que será concedido aos trabalhadores
Sindicato dos Metalúrgicos da região e classe patronal fecham reajuste para 2022
Geral

Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 22 milhões

Próximo sorteio será no sábado
Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 22 milhões
Economia

Governo afirma que IPVA cobrado em Santa Catarina não sofre reajuste

Entenda o aumento no valor a ser pago este ano, em comparação ao ano passado.
Governo afirma que IPVA cobrado em Santa Catarina não sofre reajuste
Economia

WEG vai abrir nova fábrica na Ásia

Previsão de inauguração é para o primeiro semestre deste ano
WEG vai abrir nova fábrica na Ásia
Ver mais de Economia