ECONOMIA

Dólar cai após acordo do governo com Centrão para votar previdência na CCJ

23 Abr 2019 - 19h08Por Antonio Perez

O dólar viveu uma sessão de extremos nesta terça-feira, 23. Pela manhã, o dólar varou o teto de R$ 3,95 e correu até máxima de R$ 3,9638 (maior nível intraday desde 28 de março), insuflado pela alta global da moeda americana e pela postura defensiva dos agentes à espera da reunião da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara para votar a admissibilidade da reforma da Previdência. O fôlego altista começou a arrefecer à tarde, quando saiu a notícia de que o governo havia acertado os ponteiros com o Centrão em torno da retirada de 'jabutis' do texto da reforma e minguou de vez com o início da sessão do colegiado. Depois de descer até mínima de R$ 3,9142, o dólar à vista fechou a R$ 3,9219, em queda de 0,28%, na contramão da tendência de valorização da moeda americana ante outras divisas emergentes.

Operadores e analistas destacaram como ponto principal para alívio do dólar ao longo da tarde a percepção de que o governo abandonou a imobilidade e se empenhou para costurar um acordo com os partidos do Centrão, o que dá um alento à expectativa de maior articulação política daqui para frente. A postura firme do presidente da CCJ, Felipe Francischini, no embate com a oposição, que tenta obstruir a sessão, também foi citada por operadores como pontos positivos. A reunião do colegiado prossegue em meio ao embate entre oposição e governo, mas a expectativa é de desenlace positivo, com aprovação da admissibilidade.

"Muita gente fez hedge pela manhã com dúvidas sobre a CCJ. Com esse acordo do governo e a perspectiva de aprovação, houve uma zeragem de posições defensivas e o dólar caiu", diz o gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo, ressaltando que, apesar do alívio no fim do dia, o dólar tende a trabalhar ao redor de R$ 3,90 enquanto não houver sinais mais claros de que a reforma não será diluída ao longo da tramitação na Câmara. "No curto prazo, pode até chegar a R$ 4 se houver muito ruído na Câmara."

Pelo acordo entre Centrão e governo, ficaram fora do parecer do relator da Previdência na CCJ, deputado Marcelo Freitas (PSL-MG), o fim do pagamento de multa do FGTS para aposentados, a possibilidade de alterar idade para aposentadoria de ministros do STF por lei complementar, a exclusividade da Justiça Federal do Distrito Federal para julgar processos contra a reforma e o dispositivo que garante somente ao Executivo a possibilidade de propor mudanças na Previdência.

Se for sacramentada a constitucionalidade da proposta na CCJ, a expectativa é a de que a Comissão Especial da reforma da Previdência, palco para o debate de temas decisivos - como idade mínima para aposentadoria e tempo de transição -, seja instalada ainda está semana. Segundo o líder do governo na Câmara, deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO), a instalação da Comissão Especial deve ser realizada na quinta-feira (25), mas a primeira reunião ocorrerá apenas em 7 de maio.

Depois de um giro reduzido na segunda, abaixo de US$ 10 bilhões, o volume de negócios no mercado futuro foi robusto nesta terça-feira e, às 17h27, superava US$ 18 bilhões. No mesmo horário, o dólar para maio era negociado a R$ 3,9200, queda de 0,47%. No mercado à vista, o volume somou US$ 2,58 bilhões.

Matérias Relacionadas

Economia

Exportações catarinenses caem 5,5% no primeiro semestre

Recuo nas vendas de carnes de aves e de suínos e também de soja prejudicam desempenho no acumulado do ano; alta nas exportações de motores elétricos e madeira minimizam queda
Exportações catarinenses caem 5,5% no primeiro semestre
Economia

Senado adia votação da reoneração da folha de pagamento de 17 setores

Senado adia votação da reoneração da folha de pagamento de 17 setores
Economia

Câmara aprova texto-base da reforma tributária com trava no IVA

Inclusão de carnes na cesta básica foi aprovada em destaque
Câmara aprova texto-base da reforma tributária com trava no IVA
Economia

INPC fica em 0,25% em junho, acima da inflação oficial

Índice acumula taxas de 2,68% no ano e de 3,70% em 12 meses, diz IBGE
INPC fica em 0,25% em junho, acima da inflação oficial
Ver mais de Economia