ECONOMIA

Dólar cai 0,48% com exterior, fluxo estrangeiro e expectativa por Previdência

19 Fev 2019 - 19h40Por Altamiro Silva Junior

O dólar acelerou o ritmo de queda pela tarde e fechou em baixa de 0,48%, a R$ 3,7164. O real foi uma das moedas que mais ganharam valor ante a divisa dos Estados Unidos nesta terça-feira, 19, atrás do rublo da Rússia e do rand da África do Sul. Profissionais do mercado de câmbio relatam que uma série de fatores contribuiu para o recuo das cotações nesta terça, incluindo o enfraquecimento do dólar no exterior, tanto ante divisas de emergentes como países desenvolvidos, expectativa da entrega da reforma "robusta" da Previdência nesta quarta no Congresso e o fim do episódio envolvendo o agora ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, com a leitura de que a crise pode não ter impacto na aprovação da reforma. Outro fator, segundo operadores, foi a entrada de fluxos externos, após o mercado fechado na segunda por causa do feriado nos EUA.

A moeda americana novamente chegou perto de R$ 3,70, mas não conseguiu cair abaixo desse valor, que virou uma resistência técnica. O último pregão que fechou abaixo desse patamar foi no dia 5. Pela manhã, a moeda bateu em R$ 3,74, a máxima do dia, momento em que o dólar também subia no exterior. Na parte da tarde, após relatos da imprensa internacional de que as negociações comerciais entre China e Estados Unidos foram retomadas em Washington e, mais importante, as autoridades americanas estariam pressionando a delegação chinesa para preservar a estabilidade do yuan, fizeram o dólar cair forte no exterior. O índice DXY, que mede o desempenho do dólar ante uma cesta de divisas fortes, cedia 0,40%, um das maiores quedas dos últimos dias. A moeda americana também caiu forte ante o rublo da Rússia (-0,67%) e o rand sul-africano (-0,53%).

"Com a exoneração de Bebianno, o mercado se livrou do foco na questão mais política e começou a se concentrar na entrega da reforma da Previdência ao Congresso", destaca o operador da CM Capital Markets, Thiago Silencio. O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, ex-diretor do Banco Central, prevê que a aprovação desta reforma no Congresso será um "processo de vários meses" e episódios de curto prazo, como o de Bebianno, não devem ter efeitos prolongados suficientes para afetar a aprovação do texto. Mesquita acredita que Bolsonaro vai conseguir aprovar um texto no segundo semestre que gere economia fiscal ao redor de R$ 550 bilhões em 10 anos.

Caso Bolsonaro consiga aprovar um texto com maior economia fiscal, a confiança dos agentes e os ativos financeiros vai melhorar em ritmo mais forte, destaca o economista do Itaú. O banco prevê que o dólar deve chegar ao final do ano em R$ 3,80, mas o valor pode ser menor dependendo da profundidade da reforma da Previdência. A perspectiva do banco é que nesta quarta Bolsonaro apresente no Congresso uma proposta "ambiciosa" e "robusta" da Previdência, com economia fiscal de US$ 1,05 trilhão, mas que pode ser desidratada ao longo da tramitação entre os parlamentares.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Entidades empresariais manifestam apoio ao decreto do Governo do Estado

Saúde

Jaraguá terá novas medidas contra covid-19 a partir de 1º de março

Medida terá validade por 15 dias
Jaraguá terá novas medidas contra covid-19 a partir de 1º de março
Saúde

Com novo decreto, Prefeitura de Jaraguá detalha restrições

O Governo do Estado publicou o Decreto 1.172 nesta sexta-feira (26) suspendendo o funcionamento de serviços não essenciais das 23h desta sexta-feira (26) até às 6h de segunda-feira (1º)
Com novo decreto, Prefeitura de Jaraguá detalha restrições
Saúde

Governo decreta fechamento de atividades não essenciais no fim de semana em SC

A decisão é mais uma medida do Executivo estadual para reforçar o enfrentamento ao coronavírus em um momento de agravamento da situação sanitária em Santa Catarina
Governo decreta fechamento de atividades não essenciais no fim de semana em SC
Ver mais de Economia