ECONOMIA

Depois de subir mais de 20 pontos-base, juros desaceleram e exibem viés de alta

25 Mar 2019 - 11h15Por Karla Spotorno

Os juros futuros subiram fortemente na abertura da sessão desta segunda-feira, 25, avançando pelo menos 20 pontos-base. O movimento, que também aconteceu no câmbio, evidenciou a reação do mercado aos conflitos políticos que ameaçam o andamento da reforma da Previdência. Por volta das 9h45, a alta dos juros futuros desacelerou, acompanhando o comportamento do câmbio. As taxas, entretanto, seguem com viés de alta.

Na sexta-feira, as taxas dos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) já haviam subido bastante, juntamente com o dólar. Naquela sessão, a curva de juro a termo passou a precificar 25% de chance de alta da taxa básica de juro na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), segundo cálculos da Quantitas Asset.

O fim de semana foi marcado por intensa troca de farpas entre o presidente Jair Bolsonaro, que estava em visita ao Chile, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Bolsonaro disse que a responsabilidade com a reforma da Previdência está agora com o Congresso. Maia disse que Bolsonaro tem de parar de dizer que é contrário à reforma das aposentadorias, pois isso atrapalha a tramitação da proposta e acusou o ministro da Economia, Paulo Guedes, de tentar intervir na escolha do relator da Previdência.

A falta de um relator da proposta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) atrasa o andamento da reforma. O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (PSL-GO), afirmou que não há pressa para indicar o relator. Ele criticou a articulação política do governo e avaliou que Bolsonaro e o presidente da Câmara estão numa "acirrada disputa pelo nada".

As preocupações com o andamento da reforma da Previdência podem ofuscar a forte agenda econômica da semana, que tem como destaques a ata do Copom e o IPCA-15 de março (na terça-feira), além do Relatório Trimestral de Inflação, o RTI (quinta-feira), enquanto no exterior sai o Produto Interno Bruto (PIB) do Estados Unidos (quinta-feira). Para esta segunda-feira, é esperada a nota do setor externo (10h30) e os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), às 14 horas.

Às 10h01, o DI para janeiro de 2020 subia para 6,585%, de 6,480% no ajuste de sexta-feira. O DI para janeiro de 2021 avançava para 7,29%, de 7,14%, enquanto o vencimento para janeiro de 2023 subia para 8,49%, na mínima, de 8,29% no ajuste anterior. Já o DI para janeiro de 2025 subia a 9,05%, de 8,84% no ajuste de sexta-feira.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Auxílio emergencial é pago a beneficiários do Bolsa Família com NIS 2

Parcela varia de R$ 150 a R$ 375, dependendo do beneficiário
Auxílio emergencial é pago a beneficiários do Bolsa Família com NIS 2
Economia

Caixa sorteia R$ 30 milhões da Dupla-Sena da Páscoa neste sábado

Apostas podem ser feitas até as 19h
Caixa sorteia R$ 30 milhões da Dupla-Sena da Páscoa neste sábado
Economia

WEG anuncia novos investimentos em Minas Gerais

Com uma nova fábrica de Eletrocentros em Betim, companhia pretende fortalecer sua posição em um dos mais importantes mercados de equipamentos elétricos industriais e para geração de energia do país
WEG anuncia novos investimentos em Minas Gerais
Economia

Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias

Litro do diesel passará a custar R$ 2,76, e o da gasolina, R$ 2,64
Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias
Ver mais de Economia