Joaçaba Pneus
ECONOMIA

Decisão mais recente do Copom reflete cenário básico e balanço de riscos, diz BC

20 Dez 2018 - 10h37Por Fabrício de Castro e Fernando Nakagawa

O Banco Central (BC) reafirmou nesta quinta-feira, 20, que a decisão mais recente do Comitê de Política Monetária (Copom), que na semana passada manteve a Selic (a taxa básica de juros) em 6,50% ao ano, "reflete seu cenário básico e balanço de riscos para a inflação prospectiva."

Além disso, conforme o BC, a decisão é "compatível com a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante para a condução da política monetária, que inclui o ano-calendário de 2019 e, em menor grau, de 2020".

Essas ideias, registradas no Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado nesta quinta, já haviam aparecido nos documentos anteriores do Copom: o comunicado e a ata da última reunião.

Assimetria

O Banco Central ainda repetiu no relatório uma ideia contida em suas comunicações mais recentes: a de que "o risco do nível de ociosidade elevado produzir trajetória prospectiva de inflação abaixo do esperado aumentou e o risco relacionado a uma frustração das expectativas de continuidade das reformas e ajustes necessários na economia brasileira diminuiu".

Ao mesmo tempo, o BC ponderou que os riscos de alta da inflação seguem relevantes e com maior peso em seu balanço. "Dessa forma, os membros do Copom julgam que persiste, apesar de menos intensa, a assimetria no balanço de riscos para a inflação", registrou o RTI.

Inflação subjacente

O Banco Central reforçou, por meio do RTI, que "diversas medidas de inflação subjacente se encontram em níveis apropriados ou confortáveis, inclusive os componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária". Estes "componentes" são, na prática, os itens da área de serviços.

No RTI, o BC também citou que os "indicadores recentes da atividade econômica continuam evidenciando recuperação gradual da economia brasileira".

Essas duas ideias - ligadas à inflação subjacente e aos indicadores de atividade - já haviam sido expressas no comunicado e na ata do encontro da semana passada do Copom.

Cenários híbridos

O Banco Central divulgou no RTI projeções para o IPCA em dois cenários híbridos - que combinam hipóteses dos cenários de referência e de mercado.

No primeiro cenário híbrido - que considera a taxa de câmbio constante em R$ 3,85 e a evolução da Selic (a taxa básica de juros) conforme as projeções do boletim Focus -, a projeção de inflação para 2018 passou de 4,4% para 3,7%. Para 2019, foi de 4,4% para 4,0% e, para 2020, de 3,8% para 3,6%. No caso de 2021, a projeção neste cenário foi de 3,7% para 3,6%.

No segundo cenário híbrido - que considera a taxa de câmbio variando conforme o Focus e a Selic estável em 6,50% -, a projeção de inflação para 2018 passou de 4,1% para 3,7%. Para 2019, foi de 4,1% para 3,9% e, para 2020, permaneceu em 4,0%. No caso de 2021, a projeção neste cenário foi de 4,3% para 4,2%.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

FIESC defende redução temporária do imposto de importação do aço

O insumo teve alta superior a 100% em 12 meses e tem impactado diversos setores, principalmente a construção e o metalmecânico
FIESC defende redução temporária do imposto de importação do aço
Economia

Sine de Santa Catarina tem 5.145 vagas de emprego abertas

Todas as vagas são para contratações efetivas, os pré-requisitos e a carga horária variam de acordo com o cargo.
Sine de Santa Catarina tem 5.145 vagas de emprego abertas
Geral

Sicredi fortalece o compromisso com a agricultura familiar em SC

Atuação do Sicredi junto a agricultura familiar e em toda a cadeia produtiva do agronegócio fomenta o desenvolvimento econômico.
Sicredi fortalece o compromisso com a agricultura familiar em SC
Economia

Após venda de fábrica em Schroeder, Menegotti divulga nota

Cerca de 450 pessoas trabalham na unidade
Após venda de fábrica em Schroeder, Menegotti divulga nota
Ver mais de Economia