Joaçaba Pneus
ECONOMIA

Cresce a ociosidade no setor de construção em novembro, diz CNI

21 Dez 2018 - 10h34Por Sandra Manfrini

Mesmo com a piora de alguns indicadores de produção, os empresários do setor da construção estão otimistas e esperam aumento da atividade e de novos empreendimentos e serviços nos próximos seis meses. Isso é o que mostra a Sondagem Indústria da Construção, divulgada nesta sexta-feira, 21, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

A pesquisa revela que o nível de Utilização da Capacidade Operacional (UCO) caiu três pontos em novembro, na comparação com outubro, atingindo 56%. As maiores quedas na capacidade operacional ocorreram em empresas de obras de infraestrutura e de serviços especializados para a construção. Com essa piora do indicador, a UCO continua abaixo da média histórica do mês, de 62%.

O nível de atividade do setor também caiu de 47,7 pontos em outubro para 45,6 pontos em novembro. O indicador da pesquisa da CNI varia de zero a 100, sendo que valores abaixo de 50 indicam queda na atividade.

O índice que mede o número de empregados também recuou de 44,9 pontos para 43,2 pontos. "Ao se distanciar da linha divisória de 50 pontos, os índices apontam que o nível de atividade e o número de empregados da indústria da construção permaneceram em queda em novembro", diz a Sondagem.

Apesar dessa piora nos indicadores, o índice de intenção de investimentos na indústria da construção subiu 2,3 pontos frente a novembro e alcançou 34,8 pontos em dezembro. Com esse alta, o indicador ficou acima da média histórica de 33,6 pontos e é o segundo maior desde fevereiro de 2015. Segundo a metodologia da pesquisa, quanto mais elevado o índice, maior é a disposição dos empresários para investir.

"A propensão para investir melhorou porque os empresários estão mais otimistas com o desempenho do setor nos próximos meses. Todos os indicadores de expectativas subiram e estão acima dos 50 pontos, mostrando que os industriais esperam o crescimento do nível de atividades, dos novos empreendimentos e serviços, da compra de insumos e matérias-primas e do número de empregados nos próximos seis meses", destaca a pesquisa.

O Índice de Confiança do Empresário da Indústria da Construção (ICEI-Construção) atingiu 62,3 pontos em dezembro, ante 60,7 pontos registrados em novembro, ficando 9,3 pontos acima da média histórica de 53 pontos. Quando o indicador está acima dos 50 pontos mostra que os empresários estão otimistas.

"A confiança cresce porque os empresários acreditam na aprovação de reformas estruturais que vão estimular a atividade econômica, mas o otimismo contrasta com os indicadores de produção, que permanecem em níveis baixos", avalia a economista da CNI Dea Fioravante.

A Sondagem foi feita entre os dias 4 e 12 de dezembro, com 539 empresas.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Após venda de fábrica em Schroeder, Menegotti divulga nota

Cerca de 450 pessoas trabalham na unidade
Após venda de fábrica em Schroeder, Menegotti divulga nota
Economia

Isto é Dinheiro destaca Jaraguá do Sul como modelo para o Brasil

Revista de circulação nacional conta como a cidade se tornou referência em empreendedorismo ao unir iniciativa privada e setor público
Isto é Dinheiro destaca Jaraguá do Sul como modelo para o Brasil
Economia

Para FIESC, reforma da previdência estadual é oportuna, necessária e urgente

Segundo o governo do estado, a previdência estadual tem um déficit financeiro total de R$ 4,8 bilhões anuais, considerando servidores civis e militares.
Para FIESC, reforma da previdência estadual é oportuna, necessária e urgente
Economia

WEG e Engie Brasil Energia, concluem instalação do primeiro aerogerador nacional

Turbina eólica instalada em Tubarão/SC faz parte do projeto do primeiro Aerogerador Nacional, que tem por objetivo desenvolver tecnologia e cadeia produtiva nacionais para a fabricação e instalação de equipamentos de grande porte no país
WEG e Engie Brasil Energia, concluem instalação do primeiro aerogerador nacional
Ver mais de Economia