Prates
Caraguá
ECONOMIA

Correção: queda do comércio em fevereiro se deve a operação com plataforma

01 Mar 2019 - 17h12Por Eduardo Rodrigues

O título da nota enviada anteriormente continha uma incorreção. Houve queda no comércio e não da balança comercial em fevereiro como constou. Segue nota com o título corrigido.

O diretor de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Herlon Brandão, avaliou nesta sexta-feira, 1, que a queda na corrente de comércio em fevereiro deste ano na comparação com o mesmo mês do ano passado se deve a uma operação envolvendo uma plataforma de petróleo em fevereiro de 2018.

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 3,673 bilhões em fevereiro. No mês passado, as exportações somaram US$ 16,293 bilhões, uma queda de 15,8% ante fevereiro de 2018. Já as importações chegaram a US$ 12,620 bilhões, um recuo de 21,2% na mesma comparação.

Pelo lado das exportações, o impacto da plataforma de petróleo foi de US$ 1,5 bilhão. "A queda do comércio em fevereiro se deve a uma plataforma exportada e importada em fevereiro do ano passado", destacou.

Segundo ele, também houve uma menor demanda por automóveis pela Argentina em fevereiro. "Além disso, houve queda de 30% no preço de petróleo exportado na comparação com o mesmo mês do ano passado", completou.

Brandão destacou o superávit de US$ 5,865 bilhões na balança de petróleo e derivados nos dois primeiros meses de 2019, com vendas de US$ 34,872 bilhões e compras de US$ 29,007 bilhões.

"É pouco provável que haja déficit na conta de petróleo e derivados em 2019. O Brasil historicamente era deficitário nessa conta, mas desde 2016 tem obtido superávits", acrescentou.

EUA e China

Brandão avaliou que ainda é cedo para prever o impacto que o acordo comercial entre a China e os Estados Unidos terá sobre as exportações brasileiras, sobretudo nas de soja.

"Os EUA são concorrentes do Brasil em alguns produtos e outros não. Em 2018 o Brasil exportou mais em função de sobretaxas praticadas entre EUA e China, mas é difícil estimar o impacto para o País com o acordo", afirmou.

Segundo Brandão, o governo deve anunciar uma projeção oficial para o resultado da balança comercial no começo de abril. "É natural que superávit comercial brasileiro se reduza em 2019. Há muitas incertezas sobre crescimento mundial neste ano, com impacto na demanda e no comércio global", acrescentou.

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 3,673 bilhões em fevereiro. No mês passado, as exportações somaram US$ 16,293 bilhões, uma queda de 15,8% ante fevereiro de 2018. Já as importações chegaram a US$ 12,620 bilhões, um recuo de 21,2% na mesma comparação.

GNet

Matérias Relacionadas

Segurança

Banco Central comunica vazamento de dados de 160,1 mil chaves Pix

Foram vazados dados cadastrais da Acesso Pagamentos
Banco Central comunica vazamento de dados de 160,1 mil chaves Pix
Economia

Presidente negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis

Em 2021, a gasolina e o diesel subiram 47%, Etanol acumula alta de 62%
Presidente negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis
Economia

Sindicato dos Metalúrgicos da região e classe patronal fecham reajuste para 2022

Confira o reajuste que será concedido aos trabalhadores
Sindicato dos Metalúrgicos da região e classe patronal fecham reajuste para 2022
Geral

Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 22 milhões

Próximo sorteio será no sábado
Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 22 milhões
Ver mais de Economia