vacina
ECONOMIA

Comgás: reajuste menor do gás natural deve-se à expectativa de queda de custos

22 Fev 2019 - 15h25Por Luciana Collet

A redução no reajuste das tarifas de gás natural da Comgás acertada entre Estado de São Paulo, indústrias e concessionária, não envolve contrapartida de qualquer parte, mas uma expectativa de que o custo do gás para a distribuidora reduza ao longo dos próximos meses. "O custo que a Comgás acumulou é decorrente do preço do gás, que é atrelado ao preço do petróleo, nós temos uma expectativa de que esses preços caiam, então uma parte a gente recupera repassando o preço para a indústria e consumidores, e a outra parte a gente espera que caia naturalmente, com a queda do preço do petróleo e a estabilidade do dólar", disse Antonio Henrique Gross, relações institucionais da Comgás.

Conforme explicou, o custo da molécula de gás e do transporte do insumo teve um reajuste, aplicado pela Petrobras, da ordem de 50% de maio, quando houve o último reajuste tarifário da Comgás, até janeiro, o que fez a companhia acumular volumes expressivos em sua "conta gráfica", uma conta corrente regulatória que contabiliza a diferença entre o preço efetivo do gás e transporte, que sofre alterações frequentes, e o custo considerado no último reajuste. O aumento do valor acumulado nessa conta que levou a agência reguladora estadual, a Arsesp, a definir um reajuste extraordinário para a Comgás a partir de fevereiro.

Em maio haverá o próximo reajuste tarifário, que este ano ser definido por meio de um revisão tarifária periódica - feito a cada cinco anos e que considera não só os custos do gás e seu transporte, como também toda a estrutura da companhia e os investimentos a serem feitos. Gross lembrou que a Arsesp já está realizando consultas públicas sobre a revisão e a companhia já apresentou suas contribuições.

A revisão tarifária de 2019 ocorre sem que o processo anterior, que deveria ter sido concluído em 2014, tenha sido definido, tendo em vista o imbróglio jurídico que se formou em torno do assunto. O vice-governador do Estado e titular da secretaria de governo, Rodrigo Garcia, disse ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, que primeiro será concluída a revisão tarifária deste ano, para então tratar da revisão não realizada, com meta de finalizá-la até dezembro.

"Não dá para fazer uma revisão do que é expectativa futura com o que já foi realizado, então esse passado a gente congela e depois vai conversar com o governo como vai tratar esse passado, vamos auditar, ver se ganhou ou perdeu, e se perdeu, vamos pedir alguma coisa para o governo e se a gente perdeu a gente vai devolver para os consumidores", disse.

Ele salientou que ainda que a companhia tenha "algum direito" pelo passado, isso não será repassado aos consumidores. "Faz parte do acordo que fizemos com os grandes consumidores", contou, referindo-se a uma negociação feita com cerca de dez associações de setores industriais. Gross evitou sugerir como seria a recuperação desses valores.

Matérias Relacionadas

Santa Catarina

Celesc emite comunicado sobre erros nas faturas de energia

Implantação do novo sistema comercial teria apresentado instabilidade
Celesc emite comunicado sobre erros nas faturas de energia
Economia

Responsável por 3,7% do PIB, setor de defesa é oportunidade para indústria de SC

Responsável por 3,7% do PIB, setor de defesa é oportunidade para indústria de SC
Geral

Senado aprova suspensão da dívida do RS com a União por três anos

Estado poderá direcionar R$ 23 bilhões para reconstrução
Senado aprova suspensão da dívida do RS com a União por três anos
Política

Governo indica Magda Chambriard para presidência da Petrobras

Ela substituirá Jean Paul Prates que pediu saída antecipada
Governo indica Magda Chambriard para presidência da Petrobras
Ver mais de Economia