ECONOMIA

Começa a reunião de Análise de Mercado do Copom

19 Mar 2019 - 11h17Por Fabrício de Castro

Começou às 10h04 a reunião de Análise de Mercado do Comitê de Política Monetária (Copom). Na tarde desta terça-feira, 19, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e os diretores da instituição ainda participam da reunião de Análise de Conjuntura, também no âmbito do Copom.

Na quarta-feira, eles têm mais uma rodada de discussões antes de decidirem o novo patamar da Selic (a taxa básica de juros), atualmente em 6,50% ao ano.

Esta é a primeira reunião do Copom desde que o economista Roberto Campos Neto assumiu a presidência do BC, no lugar de Ilan Goldfajn. Além dele, também estreiam no colegiado o diretor de Política Monetária, Bruno Serra, e o diretor de Organização do Sistema Financeiro, João Manoel Pinho de Mello.

Apesar das mudanças na composição do Copom, a expectativa é que o colegiado mantenha, pela oitava vez consecutiva, a Selic em 6,50% ao ano. De um total de 43 instituições consultadas pelo Projeções Broadcast, todas esperam pela manutenção da Selic em 6,50% ao ano - o menor patamar desde que a taxa foi criada, em 1996.

Para o fim de 2019, no entanto, algumas instituições chegam a projetar novo ciclo de corte de juros, na esteira da recuperação lenta da economia e dos índices controlados de inflação. Entre 43 projeções, oito casas esperam por uma Selic abaixo de 6,50% ao ano no fim de 2019. Apenas uma instituição projeta o juro básico acima deste patamar. As demais projetam a Selic estável até o próximo ano.

No encontro anterior do Copom, em 5 e 6 de fevereiro, o colegiado manteve a Selic no patamar de 6,50% ao ano. Ao mesmo tempo, indicou que os riscos de curto prazo relacionados ao cenário externo diminuíram e que deve manter "cautela, serenidade e perseverança" nas próximas decisões, "inclusive diante de cenários voláteis".

Desde então, diversos indicadores econômicos sugeriram que a economia brasileira segue em marcha lenta - o que, para algumas instituições, abre espaço para novo ciclo de cortes da Selic ou pelo menos garante a taxa básica no mínimo histórico por mais tempo.

Na segunda-feira, o Banco Central informou que seu Índice de Atividade (IBC-Br), que serve como parâmetro para avaliação do ritmo da economia brasileira, recuou 0,41% em janeiro ante dezembro, na série com ajustes sazonais. Foi o primeiro recuo após dois avanços mensais consecutivos, em novembro e dezembro.

Já o IPCA - o índice oficial de inflação - subiu 0,43% em fevereiro, acumulando alta de 3,89% nos 12 meses até fevereiro. Na prática, a taxa segue em patamar confortável, já que a meta perseguida pelo BC este ano é de inflação de 4,25%, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (taxa de 2,75% a 5,75%).

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Dólar fecha praticamente estável a R$ 5,60

Bolsa encerra segunda-feira com pequena alta
Economia

Carnês do IPTU de Jaraguá podem ser impressos no site da prefeitura

Esta opção também está disponível no App Jaraguá na Mão
Carnês do IPTU de Jaraguá podem ser impressos no site da prefeitura
Economia

Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás

Reajuste será nas refinarias e entra em vigor amanhã
Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás
Economia

Prazo para entregar declaração do Imposto de Renda começa hoje

Receita espera receber 32,6 mi de declarações até 30 de abril
Prazo para entregar declaração do Imposto de Renda começa hoje
Ver mais de Economia