transito
Economia

Com um mercado de US$ 9 trilhões, compras governamentais oferecem oportunidades para a indústria

08 Nov 2018 - 18h30

O mercado de compras públicas no mundo pode chegar a US$ 9 trilhões (em média 12% do PIB dos países) e oferece grandes oportunidades para a indústria, informou o gerente de negociações internacionais da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Fabrizio Panzini, durante reunião promovida pela Câmara de Comércio Exterior da FIESC, nesta quarta-feira (7), em Florianópolis. Entre os países que se destacam nas compras governamentais estão os Estados Unidos (US$ 1,68 trilhão), União Europeia (US$ 1,6 trilhão), Japão (US$ 393 bilhões), Canadá (US$ 198 bilhões) e Brasil (US$ 157,4 bilhões).

Os acordos de compras governamentais são aquisições de bens ou serviços por órgãos estatais, estabelecem regras previsíveis de comércio e trazem compromissos de abertura de mercado. Empresas interessadas podem conhecer detalhes no Manual criado pela CNI sobre o tema e que mostra quais países o Brasil negociou ou está negociando acordos com foco em compras públicas.

Panzini também apresentou um panorama dos sete principais acordos comerciais internacionais que o Brasil está à frente e destacou que além dos temas tradicionais negociados, como tarifas, regras de origem e regulamentos sanitários e fitossanitários, novos assuntos têm sido incorporados, como as compras governamentais, aduana e facilitação de comércio, desenvolvimento sustentável e e-commerce.

“O acompanhamento dos acordos comerciais é importante para a indústria e tem que fazer parte do dia a dia das organizações. Para quem trabalha na área internacional, os acordos são um meio de conseguir fazer importação e exportação de maneira apropriada, visando aproveitar ao máximo todas a possibilidades que os acordos oferecem”, afirmou a presidente da Câmara, Maria Teresa Bustamante.

Atualmente, os países com os quais o Brasil têm acordo representam um acesso preferencial a 8% das importações mundiais. O Japão tem 17%, Estados Unidos 24%, União Europeia 45%, México 57% e Chile 83%. Panzini ressaltou que cada país tem sua estratégia para aumentar o acesso e precisa levar em conta sua estrutura interna. Mas, no caso do Brasil, ele acredita que a estratégia se assemelha a dos Estados Unidos, que têm muita exportação de produtos do agronegócio e da própria indústria.

Em relação às maiores negociações do Brasil, Panzini destacou o México, que está estagnada, e com o Canadá, com previsão para dezembro a realização de troca de ofertas (situação em os países mostram a lista de produtos com redução ou eliminação da tarifa de importação). As negociações com a Coreia do Sul e Singapura foram lançadas neste ano e estão em fase embrionária. Também há um acordo sobre compras governamentais em andamento com a Colômbia, está sendo ampliado o acordo do Brasil com o Chile, com previsão de ser celebrado ainda em 2018, e já foi assinado um acordo de compras públicas com o Mercosul. Em relação ao acordo Mercosul-União Europeia, está prevista nova reunião em breve, em Bruxelas, com sinalização para fechamento.

“O fato é que um pouco mais de acesso preferencial precisamos ter, seja para importação ou exportação. O momento é fundamental para aumentar a nossa consciência em relação a benefícios e riscos dos acordos de livre comércio. Passamos por um momento em que a integração do Brasil à economia mundial é cada vez mais importante para a recuperação da competitividade industrial. Não é a única ação, mas é uma das mais importantes”, concluiu Fabrizio.  

 

 

Matérias Relacionadas

Economia

Pesquisa de preços mostra variação da cesta básica em Jaraguá do Sul

Tomate teve aumento de quase 30% neste mês em relação ao levantamento de maio
Pesquisa de preços mostra variação da cesta básica em Jaraguá do Sul
Geral

Guaramirim define prazo para isenção de Imposto Rural em Perímetro Urbano

Agricultores devem solicitar isenção até 11 de novembro
Guaramirim define prazo para isenção de Imposto Rural em Perímetro Urbano
Geral

Polícia Federal abre investigação sobre leilão de arroz

Conab também instaurou uma apuração interna
Polícia Federal abre investigação sobre leilão de arroz
Economia

Setor de serviços cresce 0,5% de março para abril no país, revela IBGE

É a segunda alta consecutiva do indicador
Setor de serviços cresce 0,5% de março para abril no país, revela IBGE
Ver mais de Economia