Delivery Much
ECONOMIA

China anuncia regime tributário preferencial para indústria de seguros

29 Mai 2019 - 03h14

O Ministério de Finanças da China anunciou nesta quarta-feira mudanças no seu regime tributário para a indústria de seguros, na última iniciativa de Pequim para diminuir o volume de impostos que incide sobre empresas.

Numa medida que entra em vigor de imediato, o ministério informou em comunicado que seguradoras do país poderão deduzir uma porção maior de seus gastos com operações e comissões de sua renda tributável.

Pela nova regra, empresas do setor poderão deduzir despesas equivalente a até 18% da receita de prêmios da renda tributável. Anteriormente, o teto era de 15% para seguradoras de imóveis e de 10% para seguradoras de vida.

Desde o ano passado, o governo chinês implementou uma série de ações para estimular o consumo doméstico e investimentos, assim como para reduzir a carga tributária das empresas. Pequim também cortou o imposto de renda para pessoas físicas em 2018 e neste ano e diminuiu o imposto sobre valor agregado (IVA) para os segmentos manufatureiro, de transportes e de construção. Fonte: Dow Jones Newswires.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Obras de arte da duplicação da BR-280 são licitadas

Cinco empreiteiras participaram do processo licitatório, que compreende as obras de arte especiais do trecho - Ponte do Portal, Viaduto do Manne e elevado no bairro Avaí
Obras de arte da duplicação da BR-280 são licitadas
Economia

Vendas no comércio catarinense crescem 6,3% em novembro

O desempenho supera a média nacional de 4,1%. É a sexta taxa positiva consecutiva
Vendas no comércio catarinense crescem 6,3% em novembro
Economia

Santa Catarina registra crescimento de 11,1%, o segundo maior do país

O Estado apresentou resultado positivo em quatro indicadores da indústria no acumulado de 2020
Santa Catarina registra crescimento de 11,1%, o segundo maior do país
Economia

Dólar fecha com pequena queda, vendido a R$ 5,31

Bolsa caiu 1,44% em dia de ajustes
Dólar fecha com pequena queda, vendido a R$ 5,31
Ver mais de Economia