ECONOMIA

Chance de estouro do teto da meta de inflação cai a 10%, diz BC

20 Dez 2018 - 12h15Por Fabrício de Castro e Fernando Nakagawa

O Banco Central (BC) atualizou o cálculo sobre a possibilidade de a inflação estourar a meta perseguida pela instituição. No cenário de referência - que leva em conta a manutenção dos juros e do câmbio, a probabilidade de estouro do teto de 5,75% da meta de 2019 caiu de 19% para 10%. Já a chance de não cumprimento do piso de 2,75% no próximo ano subiu de 11% para 18%.

O BC também informou as probabilidades relacionadas ao ano de 2020: a chance de estouro do teto (de 5,5%) caiu de 18% para 14%, enquanto a probabilidade de estouro do piso (de 2,5%) subiu de 11% para iguais 14%. No caso de 2021, a probabilidade de não cumprimento do teto de 5,25% foi de 23% para 21%. Já a possibilidade de estouro do piso de 2,25% da meta foi de 8% para 9%.

Para o ano que termina, a probabilidade de a inflação fora dos limites da meta de 2018, entre 3,0% e 6,0%, é de zero, calcula o BC. Em setembro, o BC dizia que ainda havia chance de 1% de a inflação deste ano ficar abaixo do piso de 3%.

O centro da meta de inflação perseguida pelo BC em 2018 é de 4,5%, sendo que há margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (taxa de 3,0% a 6,0%). Para 2019, a meta é de 4,25%, com margem de 1,5 ponto (taxa de 2,75% a 5,75%). No caso de 2020, a meta é de 4,0%, com margem de 1,5 ponto (taxa de 2,5% a 5,5%). Para 2021, a meta é de 3,75%, com margem de 1,5 (taxa de 2,25% a 5,25%).

Dólar

O Banco Central informou que as estimativas apresentadas no RTI levaram em conta um dólar de R$ 3,85 para a formulação do cenário de referência (de câmbio e juros constantes). Em setembro, a taxa de câmbio de referência estava em R$ 4,15. O documento divulgado nesta manhã teve como data de corte o dia 7 de dezembro de 2018.

No Relatório de Mercado Focus da última segunda-feira, as projeções para o dólar ficaram em R$ 3,83 para o fim de 2018 e R$ 3,80 para o fim de 2019.

Cenário de mercado

O Banco Central avalia que a chance de não cumprimento da meta de inflação em 2019 é inferior a 20% no cenário de mercado - aquele que leva em conta os parâmetros para juro e dólar previstos pelo mercado financeiro. Segundo cálculo publicado no Relatório Trimestral de Inflação, a probabilidade de estouro do teto de 5,75% da meta de 2019 caiu de 10% observados em setembro para os atuais 8%. Já a possibilidade de estouro do piso de 2,75% da meta do próximo ano foi de 18% para 19%.

O BC também informou as probabilidades relacionadas ao ano de 2020: a chance de não cumprimento do teto (de 5,5%) seguiu em 9%, enquanto a chance de estouro do piso (de 2,5%) manteve-se em 21%. No caso de 2021, a probabilidade de estouro do teto de 5,25% da meta caiu de 15% para 13%. Já a hipótese de estouro do piso de 2,25% da meta foi de 13% para 15%.

Sobre o ano que está terminando, a chance de não cumprimento é de zero. Em setembro, no relatório anterior, o BC calculava que havia a pequena possibilidade de 2% de a inflação de 2018 ficar abaixo do piso da meta de 3%.

Matérias Relacionadas

Geral

Prefeitura confirma entrada em vigor do novo sistema de transporte em Jaraguá

A primeira alteração é no valor das passagens que sofrerá uma redução no valor da compra antecipada, baixando de R$ 4,60 para R$ 3,94
Prefeitura confirma entrada em vigor do novo sistema de transporte em Jaraguá
Economia

Ministro defende privatização dos Correios em pronunciamento

Fábio Faria disse que é preciso fortalecer a estatal
Ministro defende privatização dos Correios em pronunciamento
Economia

Pequenos negócios respondem por 72% dos empregos gerados no país

Em 12 meses, foram mais de duas mil vagas, diz o Sebrae
Pequenos negócios respondem por 72% dos empregos gerados no país
Economia

CDL Jaraguá do Sul completa 53 anos de atuação

De olho na sustentabilidade e no bem-estar da população, a CDL tem trabalhado na conscientização e destinação correta do lixo eletrônico, a partir do Recicla CDL, e de lâmpadas, por meio do Reciclus
CDL Jaraguá do Sul completa 53 anos de atuação
Ver mais de Economia